A Queda

Estou aqui sobre esse prédio

Onde os pássaros não ressoam nenhum pio

Rogo apenas por um canto de piedade

Para essa alma descabida de capacidade

Busco o horizonte

Acima do monte

Encontro o norte

Que me guia a morte

Queria mais um abraço

Mas me sinto um bagaço

Sou mais um embrulho

Despejando num entulho

Encho os meus bolsos de pedras

Para não me trair

Que num suspiro vacilante crie asas

Impedindo de cair

E nesse tom que embebeda

O coração palpita arrebatado

E nessa ar embaçado

Preparo meu epitáfio antes da queda.

P.S;há a continuação chamada “Salvação”,não esqueça de ler…mesmo que o título subsequente,seja um spoiler…

Like what you read? Give Renê Nunes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.