Medo de ter medo.

Ocorreu um ocorrido…rs…Que me fez ficar pensando. Sempre que faço exame de sangue, passo mal. A enfermeira foi um amor de pessoa, e é sempre por isso que opto por fazer esse exame lá. O problema não foi com ela.
Depois que saí da sala, passei mal na rua e entrei em um estabelecimento para comer algo, no que me sentei no banco e me apoiei na mesa para ver se passava o mal estar. 
Quando passou, a moça do estabelecimento me passou um sermão levantando questões como: “Como você vai ter filhos?” “Você já está grandinha para passar mal” “Tem que se controlar!” Como assim me controlar? Sofro de TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada) e foi a primeira vez que fiz exame de sangue sem desmaiar e sem estar tomando remédio controlado (pois pretendo engravidar), estava pensando nesse avanço, quando veio essa avalanche que me deixou para baixo. 
Se eu culpo essa pessoa? Não. Há tanto tempo que perdemos a capacidade de se colocar no lugar do outro, a dita humanidade. Aliás, já tivemos algum dia essa capacidade? 
Já me deparei com pessoas com medo de ir ao dentista e que quando vai, passa mal pra caramba, enquanto eu vou e rola uns cochilos na cadeira e nem por isso achei que adultos estão grandinhos demais para sentir medo de dentista. Medo de avião, exames, insetos, animais, etc. Respeito o medo deles e pronto. Uma vez em um elevador, uma mulher entrou chorando e percebi que ela estava com medo. Cheguei perto dela, conversei e disse que poderia segurar em mim ou em minha mão caso ela estivesse com medo ou se sentindo mal. No final ela me abriu um sorriso, me agradeceu e disse que eu tinha melhorado o dia dela. É difícil entender o medo do outro? Sabe o que pessoas assim perdem? Sorrisos, histórias, amizades e principalmente aprendizado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.