O primeiro emprego

Suas histórias não estão sendo lidas, ou procuradas, ou sentidas. É com grande pesar que lhe enviamos esta carta. Seu talento pode até existir em algum pedacinho bem melancólico e minúsculo do seu ser, mas estamos mais interessados em palavras como “paixão; caos; ou petralhasXcoxas”. Desejamos que siga com sua carreira pseudo literária e, se quiser uma dica, apenas leia autores mais variados e menos existencialistas. Com muito charme e poucas palavras você chegará lá. Boa sorte!
sem título, Alessandro Di Credico

E foi assim que seu futuro — brilhante — começou. Um arraso, uma pessoa muito especial. Com pouca idade e nenhum dinheiro é possível chegar ao fim da vida? Talvez ela tenha se dado conta da imensa falta de interesse que toda essa história desperta. Nem mesmo os bêbados das 3h da manhã estão interessados nessa falta de poesia e excesso de sujeitos. Seus textos espelham a mente criativa e dócil de alguém com nada a dizer e muito tempo pra perder. Com tantas escolhas importantes a fazer, sua mente começou a vagar e se ateve a um único momento. Um instante da noite anterior. Quando seu braço roçou no braço de um estranho e uma onda de calor inundou todo seu corpo. Não que ele fosse alguém especial, era só um corpo que encontrara o seu pelo acaso. E ela adorava acasos.

Mas e se ela não o tivesse abandonado? Pode ser que seus textos foram rejeitados como um castigo pela sua falta de piedade. Adeus e nada mais. É assim que nos despedimos de quem um dia amamos tão completamente? Pode ser que sim ou que não, mas só de pensar no que poderia ter sido ela quase morreu ali mesmo, na mesa, com a carta que acabara de abrir ainda nas mãos. Não existem rupturas suaves. Essas palavras ecoavam em sua mente e ela se lembrou de uma amiga que não via há anos; sem saber ao certo porque se distanciaram, ela apenas relembrou o modo como elas se olhavam. Talvez tivesse sido seu primeiro amor. Ou apenas alguém forte o suficiente para resguardar sua moral e atender às carências de uma menina de 8 anos.

Relacionamentos complexos são mais saborosos que a linearidade do entendimento. Ela chegou a essa conclusão e, como se acabasse de desvendar os segredos para a felicidade, largou o pedaço de papel e correu para o banho matinal. Talvez até comesse um bolo de chocolate no café da manhã e começasse a escrever uma história de amor bem bonita.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Renata Quintieri’s story.