Históiri

Valter, Pezão

Meu nome inteiro é Valter de Araújo Chaves. Meu apelido é Pezão, tenho 55 anos. Nasci em São Miguel Pta, na Vila Nitro Operária. Moro na Vila Alto Pedroso desde pequeno. Aqui antigamente tinha mais mato do que casa, parecia interior, aí depois veio colando umas famílias, aí o progresso aumentou mais. Eu amo o bairro, gosto de todo mundo. Gosto de ficar nessa praça aqui [Praça Adílson Aparecido da Silva]. Quando eu não tô aqui, eu tô na praça do Morumbizinho, eu gosto de ficar nas praças, gosto de ouvir o canto dos pássaros. Eu gosto de trabalhar! Quando eu não tô trabalhando eu fico aqui curtindo a família. Eu trabalho na roça, ali em cima, lá eu carpino a roça. Lá tem pimenta, tem mandioca, tem couve, tem babosa de cabelo, tem abacate, laranja, limão. Também trabalho como pintor, servente de pedreiro, pego reciclagem. Nas horas de lazer, gosto de fazer uma física aqui nessa praça, passo uma hora, duas horas. Também gosto de andar de bicicleta, carrinho de rolimã. Lembro que meu pai comprou uma casa aqui no Pedroso, um sobradinho, e até hoje ainda mora minha família toda ali, meu irmão, irmã, sobrinho, sobrinha. A família é grande. Aqui tenho muitos amigos e amigas, o pessoal é daora! Gosto de todos. Um dia fiz uma compra ali, deixei ali e pegaram meus negócio, meus alimentos, levaram embora, sabe? Mas mesmo assim eu não guardo mágoa de ninguém, porque se pegou, é porque tava precisando mais do que eu. Todo dia eu venho aqui de manhã cedo só pra ficar ouvindo o canto dos pássaros, da natureza. A limpeza da praça podia tá melhor, pra comunidade manter a praça limpa, pras família curtir aqui a praça com nóis. Quanto mais gente, melhor.

Roteiro entrevista: Karoline Araujo, Willian Marques
Entrevista: Karoline Araujo
Fotografia: Willian Marques
Revisão de texto: Naldo Santos
Transcrição: Karoline Araujo