INSTRUÇÃO OU ILUSÃO MAQUIADA?

Ser cidadão dá trabalho, vem chegando as eleições e o eleitor consciente tem muito à estudar. Me antecipo há alguns dias da campanha oficial e venho elucidar dois prefeituraveis em Betim-MG, os quais acredito que polarizarão a disputa pela prefeitura. Mas essa é só a minha opinião.

Confiar meu voto a alguém, não é simplesmente votar, é apoiar uma atuação, o voto é sério, é uma responsabilidade tão importante quanto a atividade política de quem irá exercer sua representação pelos assuntos e interesses públicos.

De um lado Ivair Nogueira do outro Vittorio Medioli, parece um ensaio de Davi versus Golias. Aparentemente um deles ganhará as eleições com folga, embora diga-se de passagem que na cidade vizinha alguém que nem aparecia nas pesquisas se elevou ao posto de prefeito nas eleições passadas. Voltando ao nosso caso, o projetado vencedor é dono da mídia que inunda a cidade, e é isso que me assusta no Medioli, alguém com tanto poder, oportunidade de educar e conscientizar a população por meio da sua potencia jornalística, mas infelizmente usa de seus veículos para espalhar o terror, a negatividade e a maior parte de tragédias ou desconstrução política que eu já vi. Jornais sangrentos, quase pornográficos e baratos, jornais gratuitos tendenciosos e laterais.

Midiaticamente nenhum governo betinense funcionou sem o apoio de seu jornal. Não sei se ele tem noção do mal que esse tipo de jornalismo causa psiquicamente e na educação da cultura dos que o leem. Eu simplesmente me abstenho, mas a cidade inteira lê e assim o povo ainda acredita no que vê nos jornais, afinal é um jornal.

Não posso culpar o povo por procurar informação onde existe palavras pelo bem ou pelo invisível mal, sem saber a maioria anda enganada e nem desconfia, é como acreditar na indústria da carne, do álcool, do tabaco e de tantas outras investidas publicitárias que nos iludem propositalmente.

Me desculpe, eu não posso ser ingênuo a ponto de achar que alguém que cursou a faculdade de filosofia não saiba disso. De mãos atadas apenas lamento, sei que de outro lado, há coisas boas na trajetória desse homem, mas o ponto aqui é outro. Dizem que se você quiser testar a integridade de um Homem basta dar-lhe poder, e o seu danoso uso do poder jornalístico é o que me interpele gravemente.

Do Vittorio Medioli, nós ainda temos notícias que não circularam em Betim mas que foram publicadas na Globo — em seu portal G1, na Folha de São Paulo, Carta Capital, Istoé, como: sua condenação por evasão de dívidas e manutenção clandestina de depósitos no exterior no ano de 2002 na ordem de 3,8 milhões em sonegação fiscal; e outras acusações: sobre extração de pedras preciosas sem licença do governo; posse de equipamentos de rádio sem devida autorização; citação de seu nome na delação da Lista de Furnas; Mensalão Mineiro e sabe-se lá o que mais não é visível ao google. Como ignorar isso?

Prosseguindo, como todo político, nenhum está totalmente isento de preocupações, Ivair Nogueira também tem acusações como de: ser suspeito em facilitar sentenças favoráveis a políticos corruptos; suspeito de usar verba indenizatória para pagar advogados por consultorias; Nepotismo; e ainda registra em sua atuação como deputado estadual ter votado a favor do aumento de impostos ICMS; outra notícia mesmo não sendo diretamente sobre si, é sobre aquela história do seu irmão Almir Nogueira, afastado do legislativo betinense em 2008 por compra de votos. Enfim… não podemos assumir a culpa do outro, mesmo de um familiar, embora tudo isso faça o eleitor que pesquisa ficar indagado quando há coisas como essas, que dá até vergonha de perguntar aos candidatos.

Se todos esses levantamentos parecem ofensivos me defendo, se vocês estão na vida pública sabem que estão sujeitos a esses questionários e isso é o mínimo em busca de transparência e dignidade na relação entre eleitor e candidato, cidadão e político.

N’outra margem temos o mesmo Ivair, deputado estadual desde 1995, o que também questiono no sistema, não sei se tanto tempo em um cargo desse porte é saudável para o organismo político; tantas coisas que eu acho que deveriam ser diferentes, mas enfim… sobre ele, uso a mesma análise do poder da integridade de um Homem e aqui vejo uma crucial diferença; em seu veículo de comunicação, Ivair Nogueira decidiu erguer uma mídia educativa, construtiva e um jornalismo imparcial, a TV Betim em minha singela análise representa um modelo melhor que O Tempo e O Super, de como contribuir para a cultura e a educação da sociedade. Um constrói o outro desconstrói, dá para enxergar? Acho que isso é tão claro nos dias atuais, mas é incrível como alguns ainda exploram a ingenuidade e a carência do povo.

Nesse ponto podemos ver os ideais de um e de outro enquanto detentores desse nível de poder, e é aqui que o meu voto está pesando. Um é condenado o outro suspeito, aliás, como todos políticos são, acrescento com importância que acusado não é culpado, há golpes midiáticos nessa estrutura também, infelizmente conhecemos muitas histórias assim.

Sobretudo tenho muito a maturar com essas eleições, como eleitor, cidadão e pessoa, afinal a política é parte de nós e estou aprendendo a exercer minha cidadania, pois quanto mais crescemos, mais temos a responsabilidade de zelar pelo futuro que virá.

Colocadas essas análises, reflexões e circunstâncias, eu quero apenas acertar, independente das bandeiras eu quero o bem maior, venha de quem vier, eu quero o bem da sociedade, eu quero o bem coletivo.

Ao terminar todo esse processo eu não me oponho a nenhum governo, acho que esse é o grande erro da sociedade, não temos que nos opor, temos que ajudar, contribuir, participar, encontrar as portas da comunhão, compartilhar conhecimento e competência, trabalhar pelo bem comum e pelo sucesso em todas as áreas de um governo, do contrário estaremos fadados aos fracassos que nos costumamos a experimentar no caos da política brasileira, a qual precisa se transformar urgentemente. Sabemos que a vítima de toda essa mesquinharia é sempre o povo, não só os mais necessitados, somos todos nós, sem exceção.

Para o rico e para o pobre o engarrafamento é o mesmo, muda apenas o conforto, o transtorno é igual, da praia limpa ao mar e rio poluído pode haver uma distância mas ninguém vive apenas em seu quintal, todos colhem do fruto da ignorância.

Como todo mundo eu quero o bem do meu país, do meu estado, principalmente da minha cidade, que é onde vivo o dia a dia e onde mais afeta o meu cotidiano. Talvez eu escreva um outro texto abordando apenas o lado bom de cada candidato, até lá te convido a pensar comigo. Precisamos refletir e almejar o bem sem temer por nossa voz no meio do turbilhão de poderes acima de nós: os cidadãos comuns. Vamos verbalizar, vamos fazer a nossa parte, sair da ociosidade de nós mesmos e procurar o próximo com afeto, carinho e respeito, ainda que a maneira de tocar seja chamando a atenção ou corrigindo o que precisa ser observado.

Eu acredito nas pessoas, eu confio no ser humano. O passado é uma vida de lições e o futuro é a ponte para lapidar todos os nossos erros e defeitos, quando reparamos nossas corrupções e erguemos um amanhã mais justo e fraterno o horizonte começa a se desdobrar com dignidade e mérito, é nessa consciência que aposto, onde é preciso ter compromisso com o presente que caminha a passos largos para todo o futuro, afinal a confiança é a nossa decisiva escolha e diante as conjunturas, em quem podemos confiar completamente? Noto que o sistema político em que vivemos é tão tóxico, que bendito é aquele que não se envenena.

Por fim, somos sempre convidados a eleger uma opção. Não rasure a sua própria história como eleitor, provoque uma nova política, pense. A maior mudança é a que fazemos em nossos próprios atos.

FICOU EM DÚVIDA SOBRE AS MENÇÕES NO TEXTO, CONFIRA AQUI AS PESQUISAS REALIZADAS

Sobre:
 — Ivair Nogueira https://goo.gl/OrKA8d
 — Vittorio Medioli https://goo.gl/5Y99q5

Vamos lá, compartilhe esse texto!