A consumerização do RH

O RH sempre falou que o colaborador é o seu cliente… mas será que temos, de fato, tratado o funcionário como cliente? Até pelo histórico, as áreas de Recursos Humanos costumavam ter um foco grande em folha de pagamento, compliance, processos e, com isso, se tornaram bastante burocráticas. Para focar no cliente, precisamos pensar na experiência, focar no usuário e em todos os pontos de contato da jornada. E, vamos combinar, o RH tradicional nunca fez isso!

Com o avanço da tecnologia, o comportamento das pessoas mudou e, cada vez mais, buscamos conveniência, praticidade e boas experiências. Não importa aonde foi, a sua última boa experiência será a sua nova referência. Assim, se o consumidor está mais exigente, nossos colaboradores também estão. Eles esperam ter uma experiência tão simples e fluida no trabalho como tem quando acessam a Amazon, Netflix, Spotify, Uber… E se frustam quando se deparam com aplicações complexas a vagas de empregos, atualizações cadastrais burocráticas, plataformas de desenvolvimento pouco intuitivas ou não conseguem consultar rapidamente seus benefícios e contra cheques. Não é para menos! A tecnologia nos deixou mal acostumados! Queremos ter tudo na palma de nossas mãos!

Uma das grades tendências que estamos acompanhando se chama Consumerização do RH, ou seja, tratar o colaborador de fato como um consumidor, o considerando como um usuário dos serviços do RH, pensando na melhor experiência, em todos os pontos de contato de sua jornada. Isso muda muita coisa! Para isso, precisamos ter a compreensão real dos desejos, necessidades e capacidades dos funcionários. Precisamos conhecer, mais do nunca, nosso time, pois essa intimidade é necessária para projetar jornadas relevantes.

A análise de dados dos funcionários e a adoção de soluções tecnológicas são importantes para oferecer a melhor experiência, mas isso será assunto de futuros posts! Acompanhe com a gente as próximas publicações!!

Um abraço!

Marcela El-moor