Dia Mundial dos Oceanos: 7 motivos pelos quais o oceano está em perigo!

*Texto originalmente publicado no blog Cientistas Feministas.

O dia mundial dos oceanos é comemorado no dia 08 de Junho, sendo reconhecido pelas Nações Unidas desde 2008. Aqui no Brasil, nesse dia também se celebra a legalização da profissão de oceanóloga(o)/oceanógrafa(o), legislação aprovada pelo Congresso Nacional também no ano de 2008¹.

É um dia global de celebração dos oceanos, sua importância para o ecossistema e para a humanidade e colaboração para sua preservação. Entretanto, apesar de todos os esforços científicos e comunitários, os oceanos seguem sofrendo pressões antrópicas de todos os tipos, o que compromete não só a vida marinha, como a do ecossistema como um todo. Por isso, o blog Cientistas Feministas separou uma lista dos 7 (dos vários) motivos pelos quais temos muito o que nos preocupar com os oceanos:

1. Sobrepesca

Fonte: http://www.intoon.com/cartoons.cfm/id/96969

O oceano é fonte de proteínas para 1 bilhão de pessoas, representando cerca de 15% do total de proteína animal ingerida para pelo menos 4.5 bilhões².

Sim, nós comemos muito peixe. E a indústria da pesca predatória, aliada à dieta de boa parte da população mundial, é responsável pela extinção de 90% de grandes espécies de peixe (ou predadores de topo) de algumas localidades³. Algumas das espécies remanescentes atingem menos da metade do tamanho médio que poderiam alcançar, devido também a sobreexploração dos recursos pesqueiros.

2. A sopa de plástico

Fonte: Missouri Department of Conservation.

Outro problema sério relacionado aos impactos antrópicos é o nosso lixo — em particular o plástico. Estima-se que a quantidade de lixo lançada nos oceanos anualmente é de cerca de 8 milhões de toneladas⁴. Isso compromete num primeiro momento a saúde dos animais, que podem ter membros “estrangulados” por plástico. Eles ainda confundem plástico com comida ou ingerem a forma fragmentada desse lixo ao respirar, provocando uma falsa sensação de saciedade que pode levá-los a morte por inanição ou prejudicar sua flutuação impedindo que respirem adequadamente (tartarugas e mamíferos marinhos). Além disso, ao consumirmos animais marinhos contaminados por microplásticos, também estamos, de certa forma, ingerindo nosso próprio lixo.

Canudo retirado das vias respiratórias da tartaruga. Fonte: Reprodução/Youtube/COASTS/Christine Figgener.
Pellets de microplásticos. Fonte: http://www.cornwalllive.com/nurdles-pollution-at-record-levels-as-100-000-tiny-plastic-pellets-found-on-one-cornish-beach/story-30143311-detail/story.html.

3. Acidificação oceânica

Os oceanos regulam o clima, absorvendo carbono e garantindo a abundância da vida na terra⁵. Entretanto, as atividades antrópicas estão injetando uma quantidade tão significativa de dióxido de carbono no sistema que os oceanos já absorveram cerca de um terço do dióxido de carbono (CO2) emitido pelas atividades humanas. Ou seja, sem ele, a quantidade do gás na atmosfera seria ainda maior e as consequências das mudanças climáticas, ainda mais marcantes. Essa absorção, no entanto, não passa despercebida, causando impactos nas propriedades químicas do oceano e levando a sua acidificação.

Os oceanos já estão 30% mais ácidos do que na era pré-industrial (0.1, escala logarítmica), o que é bastante para alguns organismos, como os corais⁶. Esse aumento torna mais difícil a calcificação de organismos que constroem suas próprias conchas ou que possuem esqueletos calcáreos, solúveis em ambientes ácidos.

Mas é claro que falar em ameaças aos oceanos e não mencionar os impactos das mudanças climáticas é impossível. Como o aquecimento global antrópico coloca o oceano e a biota marinha em risco? Ou ainda:

“Quem se importa com uns graus há mais?”

4. Branqueamento de corais

Estimativa da perda de corais na Grande Barreira de Corais Australiana. Fonte: http://www.abc.net.au/news/2016-05-30/coral-mortality-map-along-the-great-barrier-reef/7457168.

Recentemente, sondagens aéreas da Grande Barreira de Corais Australiana mostram mais de 8000 km de extensão de corais afetadas pelo branqueamento, doença que atingiu os corais da localidade por dois anos seguidos. Eles ficam brancos porque, ao ficarem estressados com o aumento da temperatura, expulsam as zooxantelas e acabam morrendo. A freqüência do aparecimento dessas lesões diminui drasticamente as chances de recuperação dos corais, levando alguns cientistas a declarar recentemente que a barreira de corais se encontra em “estado terminal”⁷.

5. Redução de Oxigênio

A camada superficial dos oceanos realiza trocas com a atmosfera, sendo, normalmente, mais rica em oxigênio. Esse oxigênio originalmente presente na superfície é transportado para as camadas mais profundas através de processos de ventilação — processo pelo qual águas superficiais formam águas intermediárias ao penetrarem extratos mais profundos (ocorre principalmente no inverno nas áreas subtropicais)⁵.

Declínio e oscilações nas concentrações de oxigênio em pontos do Pacífico Norte. Fonte: AGU.

Entretanto, o aquecimento das águas vem aumentando a estratificação da coluna de água. Isso significa que as águas superficiais estão ficando mais quentes e portanto mais leves, tendo maior dificuldade de penetrar e ventilar as camadas mais profundas dos oceanos, levando oxigênio. Hoje, as zonas de oxigênio mínimo do oceano vem se expandindo tanto latitudinalmente como verticalmente⁸. Essa situação a curto prazo coloca em risco inúmeras espécies pelágicas (principalmente os peixes) e pode levar a uma grande extinção no ecossistema marinho, se níveis pretéritos de concentração de oxigênio forem atingidos.

6. Aumento do nível do mar

Fonte: IPCC (2013).

No último relatório do IPCC⁶, já se estima um aumento de aproximadamente 0.9m no nível do mar até 2100, levando em consideração apenas a expansão térmica para um aumento mínimo de 2 ˚C na temperatura média da Terra. Isso já coloca em risco grande parte da população mundial, uma vez que dois terços dela vive a menos de 50km da costa. No Brasil, um quarto da população se encontra em áreas de risco.

Somado a isso, teremos ainda o aumento em consequência do derretimento das geleiras continentais. Nesse último entram as grandes plataformas de gelo do Leste da Antártica, capazes de, sozinhas, aumentarem o nível do mar em cerca de 13 m — considerando as três principais9.

7. Aumento de eventos extremos

Eventos extremos, como tempestades, furacões e secas, afetam significativamente a economia dos países e a vida das pessoas. Os prejuízos com o fenômeno El Niño, por exemplo, atingem da pesca à agricultura, sem mencionar os estragos urbanos por conta das altas chuvas em algumas localidades. Com o aumento da temperatura, as projeções são de que esses eventos se intensifiquem ainda mais, tanto em quantidade como intensidade⁶ ¹¹, destacando-se no Brasil o aumento das temperaturas e das secas no nordeste do país. Isso é verdadeiro também para o El Niño, que se tornará mais frequente e com maior possibilidade de ser caracterizado como forte (grande expansão espacial e altas temperaturas no Oceano Pacífico Equatorial)¹⁰.

___________________________________________________________________

Referências

  1. Lei N˚ 11.760, de 31 de Julho de 2008.
  2. Béné, C., Barange, M., Subasinghe, R., Pinstrup-Andersen, P., Merino, G., Hemre, G. I., Williams, M. Feeding 9 billion by 2050–Putting fish back on the menu. 2015. Food Security, 7(2), 261–274.
  3. Valdivia, A., Cox, C., Bruno, J. Predatory fish depletion and recovery potential on Caribbean reefs. 2017. Science Advances, E1601303.
  4. Jambeck, J. R., et al. Plastic waste inputs from land into the ocean. 2015. Science, 347(6223), 768–771.
  5. Talley, L. D. Descriptive physical oceanography: an introduction. Academic press, 2011.
  6. Change, IPCC Climate. The physical science basis. Contribution of working group I to the fifth assessment report of the intergovernmental panel on climate change. 2013, 1535 pp.
  7. Great Barrier Reef at ‘terminal stage’: scientists despair at latest coral bleaching data. Jornal The Guardian, 9 de Abril de 2017.
  8. Stramma, Lothar, et al. Ocean oxygen minima expansions and their biological impacts. 2010. Deep Sea Research Part I: Oceanographic Research Papers, 57(4), 587–595.
  9. Silvano, A., Rintoul, S., Herraiz-Borreguero, L. Ocean-ice shelf interaction in East Antarctica. 2016. Oceanography, 29(4): 130–143.
  10. Pala, C. Corals tie stronger El Niños to climate change. 2016. Science, 354 (6317), 1210.
  11. From, A. Explaining Extreme Events of 2014. 2015. Bulletin of the American Meteorological Society, 96 (12).