Não precisa ler o texto, desde que assista o vídeo.

São duas horas da manhã, estava indo dormir e Madame V. me mostra este maravilhoso vídeo. É claro que fiquei encantado, afinal qualquer esperança que possa prolongar a existência humana na Terra me excita. Porém mais que prolongar, o importante é a qualidade da nossa existência.

Muitos amigos defendem o livre mercado a livre concorrência, a tal meritocracia, mas não se dão conta que o lucro acima da vida está nos matando aos poucos e ferindo nosso planeta gravemente. A concentração de renda aumenta ano após ano, a necessidade de suprir nosso consumo vem causando desastres “não naturais” gravíssimos e destruindo ecossistemas inteiros. Hoje na capital do país que sustenta boa parte do comércio mundial os níveis de poluição são alarmantes e só é possível ver o nascer do sol escondido atrás de nuvens de poluição por enormes telas de LED.

Não tenham dúvidas, na guerra do homem contra a natureza, nós estamos do lado fadado à derrota. Afinal, por mais que possamos destruir nosso planeta até extinguir nossa própria raça, o que são alguns milhões de anos no calendário cósmico? Não tenham dúvidas, a Terra se recupera rápido, até que um dia daqui a muitos bilhões de anos nossa estrela de quinta grandeza se extingua.

Precisamos repensar, precisamos voltar a viver como viviam, aliás, vivem as comunidades tradicionais, em que apenas a consciência de uma sociedade solidária onde um depende do outro e todos dependem da natureza poderá salvar, ou pelo menos prolongar nosso ciclo civilizatório.
 
 Tenho trabalhado com comunidades Quilombolas, de pescadores, Caiçaras e até alguns representantes de comunidades indígenas, não por um bom motivo, mas porque suas terras há mais de 200 anos vem sendo cobiçadas pelo especulação imobiliária e agronegócio. E posso te dizer, até pela minha militância, não há nada mais prazeroso nesta vida do que você ter uma função social, fazer parte de um sistema onde sua presença é necessária e bem vinda e sua falta notada. Não podemos confundir liberdades individuais com individualismo puro e egoísta. Onde apenas comprar, gastar, comer, beber, consumir, cobiçar, aplaca precariamente nossa solidão.
 
 Enfim, o vídeo tem 14 minutos, o que em tempos de redes virtuais é demais para a grande maioria das pessoas. Mas se uma minoria assistir, já fico feliz, porque vale a pena, muito a pena!!!