Hoje é o último dia de carnaval.

Carnaval é um momento onde todos estão buscando a Alegria.

E amanhã é conhecido como o dia internacional da Ressaca.

Porque será que chamamos de quarta-feira de cinzas?

Depois de tantos exageros, de 4 dias de tanta farra, de tanto prazer, será que não vem a dor e a depressão como consequência?

Já parou pra pensar nisso??

O que descobri com a minha Busca por uma Vida Real, é que a verdadeira Alegria está no EQUILÍBRIO.

Faça o que você quiser, sem culpa, sem julgamento, mas com Consciência, com equilíbrio, e o resultado disso será ALEGRIA, será um prazer sem consequências negativas.

Mas hoje em dia, está bem evidente que não estamos equilibrados.

Vou compartilhar como reencontrei essa Alegria e o Equilíbrio:

Eu sempre gostei de festas e de curtir uma boa música.

Sempre busquei a alegria em tudo que fazia.

Por um tempo da minha vida essa afinidade com a celebração se tornou a minha profissão.

Aos 20 anos comecei a trabalhar com uma marca de bebida alcóolica chamada “Busca Vida” e cuidava da divulgação da marca. E onde mais se divulga uma marca de bebida? Em festas.

Por 5 anos tive a oportunidade de viver e trabalhar no meio de festas como muitos jovens gostariam. Muitos me diziam que tinha o trabalho dos sonhos. E era verdade, porque nem parecia que trabalhava, de tanto que me divertia.

Mas aquela diversão não era consciente. Eu exagerava. Eu bebia demais, fumava demais, e provavelmente não estava fazendo tão bem assim para meu corpo e nem para as pessoas que vendia a bebida, pois assim como eu, elas não tinham consciência do quanto bebiam. E as consequências de beber de forma exagerada podem ser fatais.

Eu não tinha noção do que a falta de consciência podia causar, até que um dia a vida me mostrou através de um acidente de carro o que a bebida podia fazer com alguém quando consumida de forma descontrolada.

Estava voltando do Rio de Janeiro. Estava no ápice do sucesso com a Busca Vida. Meu futuro era promissor.

Quase chegando em Bragança Paulista de carro, perto de Bom Jesus dos Perdões, de repente sofremos um impacto muito forte. Eu estava mandando mensagem no celular no momento do impacto e não entendi nada. Senti uma proteção muito grande e por um milagre nada aconteceu comigo e nem com meu sócio.

Era mês de junho de 2011, por volta das 6h da tarde e já estava escuro.

Quando desci do carro veio outro carro iluminando a pista e vi um corpo estendido. Era um homem que já estava morto e este carro também passou por cima da pessoa e parou também no acostamento. Outros carros passaram também por cima do homem pois não tinha como ver direito.

Enquanto isso, uns 3 homens que estavam com ele começaram a querer brigar conosco nos acusando de ter matado o amigo deles. Eles mal conseguiam falar de tão embreagados que estavam. Parecia que eu estava dentro de um filme de terror. Fui pegar uma coisa no carro e vi uma garrafa de Busca Vida e de repente escutei uma voz dentro de mim que dizia: “O que você está fazendo da sua vida? Esqueceu que para toda ação existe uma reação?” E caiu uma ficha enorme: eu trabalhava com uma marca de bebida alcóolica chamada Busca Vida. Eu era o responsável pela divulgação da marca, em outras palavras, eu convencia as pessoas a ficarem bêbadas, e de repente estava me vendo numa situação onde havíamos atropelado e matado sem querer um homem que deveria estar totalmente embreagado. Comecei a questionar o trabalho que fazia. Perguntei a mim mesmo: Será que estou buscando a vida ou a morte com este trabalho?

Vi que o mundinho que havia construído era frágil e que havia consequências em trabalhar com este tipo de coisa. Vi que tudo que fazemos tem uma consequência, vi que tudo que plantamos, colhemos. O Universo mostrou na minha cara os efeitos que a bebida pode causar nas mãos de uma pessoa insconsciente. Na verdade a bebida deixa as pessoas inconscientes se não for consumida de forma moderada.

Depois desse acidente entrei num profundo processo de desconstrução. Não sabia mais o que iria fazer da minha vida. Queria buscar outra coisa, além da própria Busca Vida. Mas não sabia o que era.

Foi assim que a Busca do Caminho Real se iniciou em mim.

Queria reencontrar a verdadeira alegria, pois descobri que a alegria que experimentava com apenas as festas e a bebida não era alegria, era apenas momentos de prazer.

Vi por experiência própria que ficar apenas buscando prazer pode trazer o outro lado, que é a dor, o sofrimento.

Mas ninguém me entendia.

Tive que ir buscar sozinho.

Foi assim que fui pra Índia pela 1a vez em 2012. Com uma sede de reencontrar essa alegria, que lá eles dão o nome de ANANDA. É um estado de conexão consigo mesmo e de amor sem causa.

Fui abençoado de descobrir que esta alegria que buscava estava dentro de mim mesmo. Lá na Índia, aprendi a me reconectar com a minha essência, com a minha natureza, que é abundante em alegria.

Tive muitos vislumbres que era isso que queria pra minha vida, mas este estado não perdurava por muito tempo, ainda tinha que limpar muita coisa da mente condicinada a ter momentos de felicidade apenas através de estímulos externos. A minha sede era tanta que acabei indo 7 vezes pra Índia, e senti que finalmente recebi o que estava buscando.

Eu reencontrei o Caminho Real. Reencontrei a Alegria sem causa no meu coração.

Eu percebi que antigamente a busca que tinha de reencontrar essa alegria através da bebida e das festas era legítima, porque quando mergulhei no autoconhecimento percebi que a música e a dança eram as ferramentas mais poderosas para nos elevar à esses estados de alegria.

Por isso sou muito grato à tudo que vivi. Sou grato à Busca Vida que me ensinou tanto. Sou grato aos meus sócios. Sou eternamente grato à este homem que morreu para salvar a minha vida.

Descobri com tudo isso que não precisamos nos desequilibrar tanto para sermos felizes.

Não precisamos encher a cara para sentir alegria.

Não vejo mal algum em tomar bebida alcóolica. Não vejo mal algum em ter prazeres momentâneos.

Eu fiquei praticamente 3 anos sem beber quase nada. E 5 anos sem pular Carnaval.

Neste último sábado tive uma experiência incrível.

Eu entrei mesmo na onda do carnaval. Bebi cerveja, dei risada, dancei e brinquei com CONSCIÊNCIA. E me diverti demais, sem culpa.

Você pode fazer o que quiser, se for com consciência.

Consciência é tudo. Ela te permite ver as consequências das suas ações, das suas palavras, dos seus pensamentos.

Mas hoje, neste carnaval o que vi foi muita FALTA de CONSCIÊNCIA.

Vi o quanto as pessoas estão desconectadas delas mesmas e estão buscando a alegria de forma desesperada nos prazeres momentâneos que as drogas podem proporcionar. E isto no fundo é uma grande ilusão.

As pessoas buscam prazeres momentâneos de várias formas, e isso pode ser uma grande fuga do sofrimento que cada um carrega.

Neste Carnaval eu reencontrei o equilíbrio.

Sábado e domingo fui em blocos de carnaval em São Paulo. Segunda-feira participei de um retiro com o amigo Gustavo Tanaka na Fazenda Serrinha em Bragança, que fica ao lado da fábrica da Busca Vida, onde já participei de muitas festas. E hoje, terça-feira, fui caminhar e jogar tênis com meu irmão.

Assim é a vida em equilíbrio.

Esta tem sido a minha experiência que quero compartilhar com vocês.

Este será o tema do Encontro do Caminho Real desta semana: A Alegria está no Equilíbrio.

Como podemos encontrar o equilíbrio no meio de uma sociedade tão desiquilibrada?

Como podemos encontrar a Alegria sem causa?

A meditação e autoconhecimento são as chaves para isso.

Esta é uma descoberta puramente pessoal.

A descoberta da alegria interior requer dedicação e entrega, mas que é super possível de acontecer.

Todos são bem-vindos para participar.

Os Encontros acontecem toda quinta-feira as 20h no Espaço Florescer, na Rua Tácito de Almeida , 107 — no Pacaembu — SP.

Para mais informações acesse: https://www.facebook.com/events/1609628512385432/

O Encontro também é transmitido online na minha página do Facebook.

Tenha uma semana de alegria e equilíbrio.

Ricardo Cury

www.escolabrasilreal.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.