ZÉ E MARIA DO BRASIL:

DOIS NOMES E INÚMERAS HISTÓRIAS

Afinal, quem não conhece um José e uma Maria? Aquela “vó” Maria que costumava nos presentear, às escondidas, com doces e bobagens, e nos envolver em abraços ternos mesmo depois de crescidos; preparava as receitas mais saborosas do universo, e hoje é sinônimo de saudade no dicionário da vida. Aquele “vô” José que se revela na simplicidade de ser e de ver o mundo ao seu redor, que carrega um sorriso tímido, um tanto sem jeito, mas faz questão de não esconder as mãos calejadas de tirar deste chão o sustento da família. Aquela Maria amiga, de nome composto (Maria Eduarda, Maria Clara, Maria Luíza etc.), que prefere ser chamada pelo segundo ao invés do primeiro nome. Aquele José amigo a quem todos chamam carinhosamente de Zé. E para quem ousa afirmar que não conhece nenhum José ou nenhuma Maria, prazer, estes continuam sendo os nomes mais populares no Brasil.

Conforme os dados apurados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Censo Demográfico 2010, no qual foram avaliados os cerca de 200 milhões de habitantes do país, dentre os mais de 130 mil nomes existentes, José ocupava o primeiro lugar no quesito popularidade, somando um total de 5.732.508 pessoas, o que na época representava 3,13% da população brasileira. Enquanto o estado de Alagoas possuía a maior taxa [do nome] por 100.000 pessoas, algo em torno de 7,9%, considerando este mesmo aspecto, a Paraíba figurava na terceira posição, com aproximadamente 5,8%. Os dados revelam também que a maior concentração do nome José se encontra na região Nordeste.

Ainda de acordo com as estatísticas do IBGE, o nome Maria chegou a batizar naquela mesma época o impressionante número de 11.694.738 pessoas, o que representava 6,39% de toda a população brasileira. O estado que apresentava a maior taxa [do nome] por 100 mil pessoas era o Piauí, com um percentual de 11,61%. A Paraíba ficou na terceira posição, com cerca de 11, 19%. Também é na região Nordeste do país onde se concentra o maior número de pessoas com este nome, como podemos ver no mapa abaixo:

AS ORIGENS

Segundo o site Dicionário de Nomes Próprios, as origens do nome José remetem ao hebraico Yosef, cujo significado é “Ele [Deus] acrescentará”. Desta forma, podemos concluir que José significa “Acréscimo do Senhor” ou ainda “Deus multiplica”. Na Bíblia Sagrada, existem três personagens que assim são chamados: José do Egito (décimo primeiro filho de Jacó e Raquel que viria a se tornar profeta e governador do Egito), José de Arimateia (grande comerciante e seguidor de Jesus Cristo) e José de Nazaré ou José, o Carpinteiro (esposo da Virgem Maria e pai adotivo de Cristo).

Apesar de ainda não haver um consenso entre os estudiosos quanto às origens do nome Maria, já que existem diversas interpretações e referências sobre o assunto, a mais aceita delas defende que este nome se originou a partir da língua sânscrita Maryáh, que quer dizer “a pureza”, “a virgindade”, “a virtude”. Sem dúvida alguma, a Maria mais conhecida da Bíblia foi a Virgem Maria, mãe de Jesus Cristo e esposa de José. Além dela, há seis outras personagens bíblicas com o mesmo nome, cuja popularidade acompanhou a própria disseminação do cristianismo pelo mundo. Curiosamente, Maria é o único nome feminino a ser citado no Alcorão, o livro sagrado do Islã.

JOSÉ E MARIA FALAM

Até os 5 anos de idade, eu não tinha muita percepção de qual era o meu nome porque sempre fui chamado de ‘Juninho’, e nas poucas vezes em que falaram meu nome, eu não gravei. No início da fase escolar, mais especificamente no primeiro dia de aula, ao fazer a chamada, a professora disse meu nome completo, mas ninguém respondeu. Isso porque eu não sabia que iriam me chamar assim na escola. Já no final daquele primeiro dia, a professora insistiu que meu nome era José Pedro, disse que assim estava na lista da chamada. Foi a partir deste dia que meu nome mudou para mim, passou a ser outro: José Pedro da Silva Júnior. A princípio, não aceitei muito bem, pois achava que a denominação ‘Seu Zé’ — como sabia que futuramente iriam me chamar —não tinha tanta autenticidade, afinal muitos são ‘Seu Zé’, até mesmo quem não tem José no nome. Durante a minha vida sempre tive várias formas de tratamento: ‘Juninho’ em casa; José Pedro, José ou somente Pedro na escola e, para os amigos, era ‘Zé’. Hoje em dia, eu gosto do meu nome, acho super bonito. É uma homenagem ao meu pai. Trata-se de um nome bem forte na minha família, dois dos meus três irmãos também se chamam José.
José Pedro Silva, 22 anos, estudante de Jornalismo
Minha mãe, que era uma mulher muito religiosa, colocou este nome por conta de uma promessa feita à Nossa Senhora. O que me contaram foi que eu nasci com o cordão umbilical em volta do pescoço. Todos os meus familiares acabaram gostando da escolha. Inclusive, fiquei sabendo que deram o meu nome a mais três crianças da família. Tenho o mesmo nome da Mãe de Jesus Cristo, Maria, e por isso tanto o adoro.
Maria José Nunes Gonçalves, 55 anos, dona de casa

LEIA TAMBÉM…

  • [CORDEL] JOSÉ E MARIA: FACES DE UM BRASIL
  • [LIVRO] ZÉ E MARIA DO BRASIL: DOIS NOMES E INÚMERAS HISTÓRIAS

___________________________________________________________________

REPORTAGEM

José Ricardo Júnior
Maria Betania Diniz
Marques de Souza
Mateus Araújo