Relações Públicas quer ser tudo e acaba sendo nada

Compreender os desafios e as confusões que circundam a prática de RP é um grande passo para começar a desfazer o emaranhado da comunicação que colocou as habilitações todas no mesmo “bolo”. É importante que se explore esses aspectos porque variadas vezes, Relações Públicas é retratada como um mix de Jornalismo, marketing e publicidade, administração, recursos humanos e conhecimentos psicológicos, filosóficos, sociais e de tecnologia; é bem verdade que todos estes tem fortes laços com Relações Públicas, mas no que afinal, consiste praticar Relações Públicas?

Relações Públicas é “tipo” jornalismo?

Embora ambos estejam contidos dentro da comunicação social, e que uma tenha nascido do outro (Relações Públicas nasce do chamado jornalismo subsidiário ou empresarial) estas são práticas que se relacionam (dialogam e trocam ferramentas) mas não são a mesma coisa. De maneira bem objetiva, o jornalismo produz e processa acontecimentos do mundo social e lhe confere linguagem e sentido para ser transmitido para o contexto social, evidência fatos que possuem certo interesse das pessoas, o jornalista possui sua atuação circunscrita em grande parte, aos veículos de comunicação. Já Relações Públicas promove informações e ações organizacionais, que corroborem de alguma forma para o prestígio de uma organização; em síntese, o jornalista está para o meio social, assim como o RP está para o universo da sua organização. A grande interseção entre as duas habilitações está quando uma noticia institucional extrapola o espaço organizacional e causa impacto na sociedade, a notícia produzida por um RP será aproveitada por um jornalista.

Relações Públicas pode ser considerada marketing ou publicidade/propaganda?

Dentro do ambiente organizacional o profissional de RP irá se apropriar de diversas ferramentas, entre elas está previsto sim que para fins mercadológicos e empresariais RP aplique técnicas de convencimento a fim de alcançar uma determinada meta, mas Marketing não é RP. Marketing é um conjunto de ferramentas atreladas à venda, publicitários também estão preocupados em como vender de maneira criativa e cativante. O Relações-Públicas pode ser um profissional que acumule funções de comunicação e venda, mas este é o nível operacional de RP (leia-se operacional como dimensão em que somente se aplicam técnicas). Na concepção mais abrangente, RP estará preocupado com o patamar acima do operacional, o estratégico, a estratégia é uma dimensão que extrapola aplicações técnicas e parte para uma visão ampliada e crítica, bem planejada e com objetivos a médio/longo prazo, em um panorama que mostra que as organizações tem que enxergar além do “próximo mês”.

Administração e Relações Públicas… se juntas, causam, imagine juntas

Pode até não parecer muito óbvio mas ao se aprofundar dentro do mundo de RP, a administração marca forte presença porque vai ser um elemento diferenciador de todas as outras profissões da comunicação. A dimensão administrativa de RP é que lhe confere as aptidões para ocupar assessorias de comunicação (ou imprensa), dominar o “Conjunto de princípios, práticas e técnicas utilizadas com o objetivo de coordenar e dirigir as ações de um grupo de indivíduos que se associam com o fim de conseguir resultados eficazes” Michaelis (2015) é que junto com ferramentas de comunicação geram a comunicação organizacional, capacidade de administrar a comunicação. Por isso que entender as intersecções das duas áreas é tão importante.

Relações Públicas serve pra quê?

As organizações são imersas dentro de contextos sociais em que existe uma diversidade infinita de preferências e visões de mundo, entender a cobranças crescentes da sociedade, saber captar e interpretar os sentimentos das pessoas é sem dúvida, um dos pontos mais fortes das Relações Públicas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.