O desemprego atinge estudantes e a classe menos favorecida

Não há como um desempregado ficar pra cima e pra baixo entregando currículos em agências que parecem inexistentes, vida de uma pessoa desempregada é uma situação desesperadora, muitas vezes uma simples condução torna-se difícil, vivemos em um país que as pessoas vivem dando golpes, pedem carona muitas vezes sem necessidades.

Ninguém é obrigado a dar carona, entendo, os projetos que um governo cria pra melhorarias, pra conseguir ir atrás de emprego, sempre a próxima gestão política corta, sempre cortam a parte menos favorecida, é inacreditável.

Estudante, cursando o último semestre do curso de Comunicação Social e jornalismo, e ao sair a procura de emprego, ou em anúncios da internet, todos pedem experiência ou inglês fluente, ótimo você vai me falar que o jornalismo é uma área que necessita de inglês, mas se não derem oportunidades não teremos essa exigência que todas as empresas pedem, EXPERIÊNCIA. Se você cortar sempre seu cabelo jamais saberá como ele ficaria longo, então antes de exigirem bagagem, traquejo, façam com que as coisas aconteçam.

Não creio que sou o único estudante de nível superior que esteja desempregado, mas creio que muitos estão na mesma ou pior situação, é o curso que aumenta as mensalidades, a instituição de ensino que querem apenas seu dinheiro, não facilita de forma alguma pra que os alunos não desistem de estudarem.

É muito triste saber que você não poderá continuar os estudos por falta de verba, a cada semestre às universidades fazem o favor de colocarem os alunos em situações de desespero, qual estudante não sentiu aquela dor de barriga ao saber que não tem aquele valor.

No início do meu curso, andando pelo centro em destino a faculdade, passei por uma moça e notei que ela estava chorando, normal, quem as vezes não derramam a água salgada, mas fiquei preocupado, pois ela estava em olhando pra baixo, bem no viaduto do chá, pensei será que está querendo cometer o suicídio.Fui até ela e ofereci uma água, ela limpou os olhos e disse obrigado, aceitando a água, eu disse, não importa o que seja tua dor, tenha fé, ela disse nada mudará minha situação. Foi aí que começou falar o motivo de tantas lágrimas, por sinal estudávamos na mesma instituição, UNINOVE , essa mesma que tem a propaganda falando que é 10, será mesmo? Cada um com sua opinião, perguntem aos alunos que já precisaram de um bom acordo, de uma conversa com quem estiver à frente, saberá a resposta.

A moça estava desistindo por não ter condições de pagar a rematrícula, foi difícil até aconselhar, mas falei algumas palavras e ela seguiu pra sua casa. Agora será que ela foi a única, a primeira, a última? Não , garanto que nem uma das perguntas ela se encaixa, tenho amigos que iniciaram o curso comigo, e estão em um semestre abaixo, mudaram a turma, a grade , mudaram a rotina, eles também sentiram essa dor, como outra colega que tem a voz exatamente como você possa imaginar uma locutora, uma jornalista, simplesmente pela situação financeira desistiu, ela saía de casa às 16h pra chegar na faculdade as 19h, infelizmente ela não continuou, sempre comentamos da voz dela, como ela falava pouco entre os colegas mas nos trabalhos de rádio foi que notamos o talento dela.

A faculdade precisa dar um suporte para os alunos, desde empregabilidade até mesmo na parte de negociações, pra que não desistam, não parem, mas sabemos o quanto a sociedade é tratada como lixo, o desejo de muitos é que a classe menas favorecida fiquem sempre de fora, não é crime quem tem condições estudar nos melhores colégios, mas não é justo que o que não tem as mesmas condições fiquem de fora por falta de oportunidades, falta de apoio, as faculdades públicas tem menos de 2% da classe de baixa renda estudando, de quem é a culpa? Minha não é, nem sua, mas aposto que a competitividade não está sendo em comum igualdade, faça uma reflexão e veja você, quantos alunos que vivem em situações de vulnerabilidade chegam a uma faculdade ou um curso técnico, o que eu quero dizer com tudo isso?

É simplesmente a falta de oportunidades pra quem não tem condições, apoio, não estou pedindo nada gratuito, e sim uma chance, pra quem jamais terá ao menos a chance de sonhar.

EDUCAÇÃO, ESSA É A ÚNICA SALVAÇÃO PRA TANTA DESIGUALDADE.