Rammstein e Morgenstern. Uma luz quente no meu rosto horrível.

Quem acompanha as letras do Rammstein sabe que certos símbolos se repetem em várias músicas. Morgenstern é centralizada em dois dos mais usados na obra da banda: luz/escuridão e beleza/feiura. Assim sendo, é importante analisar o que geralmente significam antes de olhar diretamente para essa letra específica.

A luz, como melhor argumentei e exemplifiquei no texto sobre Sonne, normalmente se refere a sentimentos que fazem bem a alguém. Sonne (Sol), a maior fonte de luz, fala sobre felicidade e esperança de tê-la. Children of the Sun (Filhos do Sol), do projeto Lindemann, também tem a ver com a finitude de momentos felizes. A luz é geralmente associada a um sentimento positivo, a um calor, ao que te ilumina e aquece, mesmo que não acarrete necessariamente em sentimentos positivos para todos os envolvidos. Já a beleza/feiura normalmente tem a ver com a ¨beleza social¨. Com o quanto você é admirado socialmente por obedecer às regrinhas, às expectativas sociais. Exemplo: um casal com dois filhos que vai à igreja todo domingo seria, nessa metáfora, lindo. Já um homossexual bêbado que não sorri a todo momento seria considerado alguém feio. Outro exemplo: uma mulher que se comporta como uma princesinha é considerada gente bonita, mas uma que gosta de transar e não esconde isso pode ser considerada gente horrível. Pelas letras da banda, é bem claro que o eu lírico do Rammstein é quase sempre gente feia. Às vezes, gente feia que se disfarça de bonita.

Em Schwarzes Glas, uma demo antiga, o Rammstein pergunta: ¨somos condenados por sermos feios / o que podemos fazer se somos feios?¨

Não é surpreende que Marilyn Manson e Rammstein tenham escolhido a música The Beautiful People para seu encontro no Echo Awards de 2012. Fala exatamente da gente bonita. Fala que tudo depende do tamanho do seu campanário. Que tudo depende do poder que se tem para legitimar seus critérios sobre outros critérios possíveis. Que ninguém, nessa metáfora, é bonito ou feio por si só, mas sim a partir de um ponto de vista, que poderia ser outro, mas é tratado como se fosse indiscutível e óbvio, levando quem é considerado feio ao sofrimento ou a um fingimento de beleza. Escracha também a dimensão da moral enquanto uma maquiagem para ser bem visto, uma ferramenta de vaidade.

Manson é, como o Rammstein, um grande representante da Horrible People. Seu nome é a junção de Marilyn Monroe com Charles Manson. Seu jeito de se vestir deixa isso bem claro. Porque ele próprio grita contra um dos principais reguladores de beleza social: religião. Manson grita em The Fight Song: ¨não sou escravo de um deus que não existe¨. Porque, Deus sabe, ele não quer ser anjo algum. Se o Rammstein quer te ver despido da bela roupagem social que serve para esconder sua feiura (let me see you stripped!), Manson fez o seguinte discurso no MTV Awards de 1997:

Meus companheiros americanos, não seremos mais oprimidos pelo fascismo do cristianismo. E não seremos mais oprimidos pelo fascismo da beleza. Porque estou vendo você aí sentado, tentando ao máximo não ser feio. Tentando ao máximo se encaixar. Tentando ao máximo merecer sua entrada no paraíso. Mas deixe-me perguntar: você quer estar num lugar que é infestado de babacas?

Tudo isso não foi falado por nada. Morgenstern tem a ver com o resultado dessas reflexões. Como foi dito, a religião é uma das principais legitimadoras de critérios para definir se alguém faz parte da gente bonita. E, se obedecer a esse critério, você é presenteado com o acolhimento, com aplausos sociais, com calor na sua pele. Mas e se você for feio? Agora sim, vamos diretamente para a letra da música.

A primeira coisa a ser notada é o título. Morgenstern significa literalmente ¨Estrela da Manhã¨. Os que gostam de acusar o Rammstein de louvar o demônio vão falar ¨tá vendo?! Estrela da Manhã é um dos apelidos de Lúcifer!¨. Não é mentira que esse nome pode se referir a Lúcifer. O problema é que esse é um apelido que também foi usado para o próprio Jesus Cristo. Indo mais a fundo, a música diz especificamente ¨estrela da manhã, ah, resplandeça!¨(ou, ¨brilhe!¨). Isso lembra bastante a passagem bíblica que pode ser encontrada em Apocalipse 22:16, onde Jesus fala:

Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar a vocês este testemunho concernente às igrejas. Eu sou a Raiz e o Descendente de Davi, e a resplandecente Estrela da Manhã.

Percebam que, de uma suposta letra satânica, Morgenstern passou para música gospel. Ironias de lado, continuemos:

No clipe de Mann Gegen Mann, Till Lindemann é um homossexual desesperado que reclama das ¨línguas geladas¨ que batem também em seu coração. Ele acaba ganhando uma aparência de demônio. Gente horrível.

Morgenstern mostra uma pessoa feia implorando por acolhimento, por aprovação divina. ¨Estrela da manhã, jogue uma luz quente no meu rosto horrível, diga-me que não estou só¨. Se Cristo dizia para acolher, o que vemos na prática em muitos de seus seguidores é um festival de dedos apontados. Muitos chegam a usar dos ¨defeitos¨ alheios para criar um contraste consigo mesmo e alimentar a própria vaidade de parecer bom. O calor da luz religiosa não aquece a tantos quanto poderia.

Homem-porco fazendo sua oração.

Ela é tão feia que fica escuro

quando olha para o céu

então a luz se esconde

e brilha por baixo de seu rosto

-

Então ela tem que se esconder durante o dia

Simplesmente não quer assustar a luz

Vive nas sombras até o brilho desvanecer

Vê uma estrela brilhando no crepúsculo e implora:

-

¨Pinte beleza na minha cara¨

Uma pessoa, horrível para os padrões supostamente celestiais de beleza, se esconde e vive nas sombras. Uma imagem que pode representar isso bem é a de um gay que tem medo de se assumir, então tem que viver nas sombras, não quer assustar a luz. Mas ele precisa de acolhimento e implora para o céu: ¨pinte beleza no meu rosto¨. E, então, faz sua oração.

Estrela da manhã, resplandeça na minha aparência

Lance uma luz quente no meu rosto horrível

Diga-me que não estou só!

E, aqui, o centro da música. Qual é a resposta dessa luz divina?

FEIA! VOCÊ É FEIA!

VOCÊ…

VOCÊ É FEIA!

Negam luz, acolhimento, calor para essa pessoa feia. E a letra continua:

Eu andei só pela noite

Os pássaros da tarde não mais cantavam

Vi filhos do sol na multidão,

então gritei para o céu estrelado

É claro que tinha que ter sol na música. Como já mencionado, Sonne fala de esperança por felicidade. Children of the Sun, do projeto Lindemann, também fala sobre felicidade, sobre sua finitude. Quando a pessoa se depara com os filhos do sol, quando almeja ser feliz, ela grita para o céu. O interessante é que essa oração, dessa vez, parece não ser feita pela pessoa feia, mas pelo próprio Lindemann:

Estrela da manhã, resplandeça

sobre minha amada

Lance uma luz quente em seu rosto horrível

Diga para ela que não está sozinha!

Mas, novamente, qual a resposta?

FEIA!

VOCÊ É FEIA!

VOCÊ…

VOCÊ É FEIA!

HUMANOS SÃO SÓ ANIMAIS COM OLHOS

COISAS BONITAS SÃO O QUE EU QUERO

MAS VOCÊ…

VOCÊ NÃO É BONITA

NÃO!

No final, parece existir uma tentativa de abraço nessas pessoas feias. O eu lírico implora para ter o peito aquecido onde a vida bate. A última frase:

Vendo com o coração, ela é maravilhosa

Existe alguém mais feio do que eu?

Um adendo importante: existe um poema de Till Lindemann, presente no livro In stillen Nächten, chamado Schwarz. Parece abordar o mesmo tema de Morgenstern. Curiosamente, a pessoa feia parece ser o próprio Lindemann (uau, que surpresa!). As metáforas usadas são bem parecidas e também trata de uma pessoa na qual a luz divina se nega a tocar. Lembrando que Till é completamente ateu e está falando muito mais do aspecto do bem psicológico feito pela aprovação, seja ela divina ou social, que ocorre a um número muito menor de pessoas do que poderia ser. O poema:

Em busca de paz antes do anoitecer

Eu me enrolo no cachecol da melancolia

O mundo brilhante não me beatifica

Tenho que ter escuridão para o meu êxtase

-

É a noite grávida da morte

Arrebata-nos com a condição de pecadores

Mandamentos que desrespeitamos

Não são vistos por ninguém na negligência da noite

-

Depois dos últimos raios de luz

A alma se perde nos devaneios do desejo

Então aprecio o falecimento do Sol

Bebo do preto com suspiros profundos

-

A perda da luz do dia abandona todo o resto

Para quem a noite estende o peito

Bebedores, putas e conspiradores

Para quem as sombras abrem portas

-

Quando o dia penetra na Lua

Uma febre atiça os ossos, nos animamos

Sem fingir vela nenhuma aqui no escuro

Nenhuma oração para separar luz e trevas

-

Depois dos últimos raios de luz

A alma se perde nos devaneios do desejo

Então aprecio o falecimento do Sol

Mastigo o preto com suspiros profundos

O entrevistador perguntou se Lindemann era um homem de fé. A resposta: ¨Não. Eu sou tão ateu quanto se pode ser. Qualquer coisa, eu me chamaria de ‘vitalista’. Eu acredito nos desejos internos. Mulheres. Pescar. Caçar. Tudo que é fundamental, mesmo que pareça ofensivo em nossa sociedade. Estou convencido que as coisas seriam bem diferentes se mais pessoas seguissem seus desejos em vez de subvertê-los.¨
Perguntado sobre suas letras, Manson responde que ¨é sempre sobre ser você mesmo e não ter vergonha de ser diferente. Tento pegar os ideias de todos, a moral comum, inverter tudo e fazer com que as pessoas enxerguem de forma diferente, questionem, para que não fiquem tomando as coisas como obviamente certas. ¨

Acho que está claro o porquê de eu ter falado do Manson no início. A arte das duas bandas têm pontos em comum e não é por nada que são amigos. A luz não toca o rosto deles e eles fazem música principalmente para seus semelhantes. Lindemann diz:

Em busca de paz antes do anoitecer

Eu me enrolo no cachecol da melancolia

O mundo brilhante não me beatifica

Tenho que ter escuridão para o meu êxtase

E Manson diz:

Não sou relacionado ao seu mundo

Porque é um mundo grandioso e brilhante

E drenaram nossas cores

Costumávamos amar a nós mesmos

E, claro, uma parte importante, do poema Schwarz:

Sem fingir nenhuma vela aqui no escuro,

nenhuma oração para separar luz e trevas

— — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — —

Números 6:24–26

O Senhor te abençoe e te guarde; O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; O Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz.