3 documentários que nos abre a mente sobre o poder da internet

O objetivo desse texto é mostrar como a internet pode ser usada para o bem geral da população. Não é de hoje que uma minoria (governo e grandes corporações) manda e desmanda na maioria (população) e isso não está correto. Apesar dos nossos esforços, ainda percebemos que são pequenos perto das possibilidades existentes.

Informação é o que tem feito nosso mundo girar e quem detêm tal fato, consegue ter grande vantagem. E onde podemos encontrar informação? Na internet. Infelizmente não fazemos uso eficiente de tal ferramenta, deixando por conta dos algoritmos dizer o que nos é bom ou não.

Será que até mesmo na internet, onde foi criado para as ideias fluírem, devemos ter alguém nos ditando tais coisas? Acho que não. Por isso, segue a lista dos 3 documentários que abriram nossas mentes.

1. We Are Legion: The Story of the Hacktivits (2012)

Imagem retirada do seguinte link: http://bit.ly/1d8YBKR

O primeiro documentário da lista, fala sobre como possivelmente surgiu o movimento de hackativismo. Nos mostra quais são o lado bom e ruim desse movimento que tem transformado o jeito que tratamos as coisas na interwebs.

Um ponto interessante sobre esse documentário, é de como um movimento politico está atrelado as ações desses grupos. O Anonymous, por exemplo, surgiu de alguns trolls, memes e seus derivados de um website chamado de 4chan.

O hackativismo surgiu para combater a imposição que grandes corporações e até o governo fazem com o uso da internet. A liberdade de expressão e a possibilidade de haver discussões sobre os vários assuntos, acabam sendo dificultados. A falta de controle que tais instituições tem com a internet, acaba se tornando uma “ameaça” para os mesmos, pois, eles podem e acham que oposição a eles pode ser grande.

Outro ponto que é amplamente abordado nesse documentário, é a vigilância extrema que as autoridades fazem na internet. Claro que ameaças terroristas podem acontecer, mas a possível objeção popular, pode ser uma ameaça muito maior para aqueles que estão no poder e de lá não queiram sair.

Esse movimento abriu várias possibilidades para troca de ideias, entendimento dos direitos e deveres que todos nós temos. Possibilitou também, dar voz aqueles que não podiam ou não conseguiam expressar o que estava pensando e sentindo.

2. The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz (2014)

imagem retirada do seguinte link: http://bit.ly/2lpdNmZ

Conta a história do jovem Aaron Swartz, que quando era pequeno já conseguia desenvolver várias atividades de maneira rápida e brilhante.

O jovem gênio, tinha uma curiosidade extrema e além disso, questionava tudo o que podia e deve ser questionado. O ensino que nos é oferecido é realmente o ideal para os nossos filhos e para nós? Aaron questionou isso quando estava na escola.

O documentário aborda o esforço enorme que Aaron fez para deixar a internet livre para todos nós. Todo o trabalho do jovem é de preservar o que temos de mais importante, a informação.

Infelizmente, governos e grandes corporações controlam o fluxo de informações e quem tem acesso a ele, ou em outras palavras, quem paga mais, leva mais. Afinal das contas, somos capitalistas, correto? Aaron discordou disso e correu atrás do seu ideal, liberdade de acesso a informação.

A inspiração que esse documentário traz, de corremos atrás dos nossos direitos e de questionar tudo (absolutamente tudo!). A internet trouxe maravilhas para o nosso comportamento, para o nosso dia a dia com toda as suas facilidades.

Com todas as ações de Aaron, acabou inspirando milhares de pessoas ao redor do mundo, a correrem atrás do que é nosso, a liberdade.

Esse documentário pode ser visto no Netflix.

3. The Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom (2015)

Imagem retirada do link: http://bit.ly/2kN9hve

Esse documentário é um dos mais pesados que vi referente a esse movimento. Foi graças as mídias sociais que a população ucraniana se reuniu para bater de frente com o, até então, Viktor Yanukovych. Viktor, foi reeleito em 2012 com a promessa de colocar, finalmente, a Ucrânia na União Europeia e deixar de serem “capachos” da Mãe Russia.

Infelizmente, Viktor Yanukovych não cumpriu e se voltou para os interesses idealistas e geopolíticos que a Russia tinha para a Ucrânia. Essa manobra por parte do presidente, foi o ponto que faltava para a população, enfim, se voltarem contra um governo que tem interesses políticos e econômicos assim do que o povo quer. Acho que você já conhece essa história, né.

O documentário visou mostrar como era a manifestação no ponto de vista dos próprios manifestantes. O movimento começou de forma pacifica, onde a população queria cobrar de Viktor, o que ele tinha prometido e não cumpriu em sua campanha para a reeleição.

Como sempre vimos na história da humanidade, os comandantes — reis, rainhas, presidentes e seus derivados — quando se sentem ameaçados, acabam usando força bruta contra aqueles que estão desarmados.

Maidan, a principal praça da capital Kiev, se tornou um símbolo de resistência e de luta por parte dos ucranianos, mas também, guarda memorias de combates sangrentos e de covardia por parte da força armada de Viktor Yanukovych.

Esse é um documentário em que mostra como todos daquele país se uniram para um bem maior. Um país que, naquele momento, não era um ato isolado, mas sim, significou como o bem maior deve ser para todos e não para um grupo restrito de pessoas.

CONCLUSÃO

Em todos os documentários podemos ver que o ponto em comum é a liberdade de expor as ideias de maneira civilizada.

A questão politica é vista em todos os aspectos e acabamos vendo que os “verdadeiros inimigos” não somos nós, enquanto população, e sim aqueles que estão no poder e de lá não querem abrir mão.

A boa convivência entre as pessoas começa com a empatia, quando você pode ser ouvido e também pode expor aquilo que sente e pensa. Com a empatia, de entender o que outra passa, pode deixar a nossa vida um pouco mais fácil, diminuindo e muito a desigualdade social em que vivemos.

Escrevi esse texto no Medium, pois foi o lugar que mais achei interessante para gerar uma discussão saudável, sem a interferência de algoritmos e seus derivados. Se você gostou do post, não deixe de comentar sobre o que achou ou o que pode ser melhorado.

Se quiser entrar em contato para trocar uma ideia estou no Facebook e no Twitter.