Escritórios compartilhados são opção mais barata para quem ainda não pode ter sede própria

Rio Office par possuí escritórios Compartilhados e Privativos

RIO — Para muitas pequenas e médias empresas, ter um escritório não é tarefa simples nem barata. Por isso, muitos vêm recorrendo a escritórios compartilhados como forma de preservar parte do capital inicial. Funciona assim: em vez de alugar um sala comercial tradicional, o empreendedor leva seu computador para trabalhar em um espaço coletivo onde são oferecidos internet, atendimento telefônico e salas de reuniões.

Hoje já existem, além do tradicional pacote mensal, opções de uso por hora, diário e semanal. No entanto, consultores alertam que esses são instrumentos para o momento inicial, para evitar dar endereços residenciais a clientes. E afirmam que, quando a empresa tiver recursos suficientes, deve buscar um espaço próprio.

— Claro, ter uma sala própria é o mais indicado, mas não é primordial, pois há uma barreira financeira para isso — diz o consultor Antonio Cesar de Freitas, da Acomp.

Se, por um lado, os empreendedores conseguem trocar ideias nos ambientes compartilhados, por outro a falta de privacidade pode atrapalhar na hora de analisar algum documento confidencial ou negociar preços com algum fornecedor. Com isso, a maior parte das empresas passou a oferecer ambientes fechados e privativos.

Exemplo da Rio Office Parque conta com espaço de salas privativas no Recreio. A demanda das pequenas e médias empresas é crescente. Destacado ainda o elevado número de empreendedores que buscam os espaços apenas para ter um endereço comercial e fiscal.

Rio Office Par 
www.rioofficepar.com.br