Tudo pilantra

Segunda-feira. Eu queria chegar em casa, cochilar, tomar banho, jantar e assistir “Paris, Texas”. Dizem que é um baita filme. Mas pra variar, alguma coisa aconteceu e eu ainda não posso afirmar isso.

A programação tava normal, seguindo, efetiva, após um dia em que eu venci a procrastinação. Consciência leve, sem trabalho de casa, livre para assistir “Paris, Texas”…comendo uma rapadurinha de coco. Sonho meu!

Mas nos últimos tempos, quase que diariamente, tenho escutado histórias de falta de consideração nas relações. E SOCORRO, esse é um assunto que muito me interessa, muito me toca e muito me incomoda. Vale umas linhas sobre.

Consideração e Solidariedade, essas ações tão maravilhosas e tão sumidas da convivência social. VOLTEM, QUERIDAS!

Amiga chama, contando que o crush sumiu. Semanas seguidas de encontros e conversas que, do nada, acabam. Ela tenta uma, duas, três vezes chamar pro rolê. Desculpas! Ela chama na obrigação de esclarecimentos. A bomba. “Ele queria se afastar para esfriar as coisas”. “Ele não queria nada sólido no momento”.

O horóscopo não conta essas coisas pra gente. Nem as jogatinas de tarô. Nem bola de cristral. E todo dia tem história de gente sumindo ou “não fazendo questão”, como bem disse uma amiga dia desses.

Tudo pilantra!

Tempo em que todo mundo se esconde, seja por trás da indiferença ou da ocultação das setinhas azuis do aplicativo. Tempo complicado para as relações. Tempo de joguinhos e falta de consideração. Tempo arriscado para a saúde mental e sentimental. Tempo chatíssimo! Tempo de gente brega!

Sou mais jogar no time dos trouxas. Cheio dos “amô” e dos sentimentos pra compartilhar. Amar e mudar as coisas, sabe. Belchior feellings!

E a gente aprende muito convivendo com gente assim. Dia desses ouvi,“eu não faço sexo selvagem, eu só faço amor…até com quem eu não amo”, de um grande amigo, a caminho do bar. E o lance é esse. O mantra tá dado. O resto é pilantragem.

Amanhã vou ver “Paris, Texas”, sem falta!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.