Projeções do IBGE preveem queda populacional em Minas

Vespasiano — MG (fonte: Precon Engenharia)

Foi divulgado pelo IBGE as projeções populacionais para o estado de Minas Gerais entre o período de 2010 a 2060. Segundo os dados, revisados em 2018, a tendência é o decréscimo a partir de 2040. Simultaneamente, é previsto também a redução da população jovem e o aumento da população em idade avançada.

No estudo é possível verificar a desaceleração no crescimento populacional do estado que passará de 0,68%, entre 2010 e 2015, para -049%, entre 2055 e 2060. Quanto ao envelhecimento populacional, é esperado é esperado o aumento de pessoas com 65 anos ou mais.

Enquanto a proporção de idosos tende a subir de 8,1% em 2010, para 28, 7% em 2060; crianças e adolescentes até 14 anos é uma faixa etária que tende a reduzir, indo de 22,8% para 13,1% no mesmo período de tempo.

Já para a razão de sexo, indicador que retrata a composição demográfica demonstrando a relação entre o número de homens e mulheres, a tendência é não ter grandes desigualdades. De acordo com as informações divulgadas pelo IBGE, o esperado é permanecer a relação de 96 e 97 homens para cada 100 mulheres.

Os Territórios de Desenvolvimento

Outro aspecto da demografia que foi observado, diz respeito ao territórios de desenvolvimentos. O termo se refere a divisão do estado em 17 territórios de desenvolvimento econômico e social, com o intuito de priorizar as potencialidades regionais do estado.

(fonte: Fundação João Pinheiro)

Segundo as observações, dentre os municípios que mais crescerão em Minas Gerais, quatro fazem parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Entre eles temos Ibirité, Betim, Vespasiano e Ribeirão das Neves.

Contudo, os dois municípios que apresentam maior taxa de crescimento entre 2010 e 2020, com 1,8%, são Vespasiano e São Romão — que integra a região Norte -.

(fonte: Fundação João Pinheiro)

Em contrapartida, entre os municípios que mais apresentam decréscimos populacionais estão Rubelita, na região Norte, com -2,0%; e Comercinho, na região Médio e Baixo Jequitinhonha, com -1,6%, entre 2010 e 2020. Seguidas por São Pedro da União, região Sudoeste, com -0,6%; e Fruta de Leite, região Norte, com -0,5%.