Enxertos de Homem

Com os olhos de Ana
Percebi que não
estou só.
Que não estou só
e que sou mais de um — poeta, argilista,
dançarino, artista, enfim…

Querer vida vivida ressurgindo
em amor

Transformar o mundo em mundo humano
e o homem em homem mundano

Inteiro
aceito
as partes
que sou

Percebo que para viver basta “ser”.
Caminheiro, contigo e a teu encontro.
Então existo, sinto, sou.
Verdadeiramente eu.
Mesmo que ainda não saiba!
Mesmo que ninguém saiba!
Mas ousando a viver por inteiro
Sorvendo o mundo por todos
os poros
Expressão de muitos homens
em um só

Meu coração bate inteiro
ajoelhado, acocorado
expressando ser sagrado
E é infinitamente maior
do que o que tenho dentro do peito!

Ainda que sorrindo
ainda que chorando
perco-me reencontrando-me
E encontro-me em ti
na possibilidade de te amar
perdidamente!
achando amor!

(Poema coletivo, Turma de Psicologia UFC, Psicologia e Arte, 1994)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.