Sou a sombra do fantasma de mim mesmo

Após tempos investigativos na mansão assombrada este resultado chegou forte, não sei ao certo quando isso aconteceu ou sequer se houve um processo gradual, até porque minha formação investigativa ainda está muito incipiente nos estudos do fantasma na maquina, mas esta disparidade existe e já não consigo nem ao menos entender o que sou do ponto de vista da sombra, sim, acordei na mesma dimensão da barata do Kafka.

Na prepotência de ser um caça-fantasmas nem sequer chequei se eu era um também, e agora já nem tenho acesso a ele, já tive alguma vez? Também não sei.

As vezes tenho duvida se existo de fato além da sombra, se não é só uma miragem aquele além de mim, tento enxergar meus potenciais, sonhos, posições, emoções e não faz sentido nenhum com o que não faço, como pode uma existência pratica ser tão incongruente com toda uma identidade? Quando foi que me parti tanto? Por que os pedaços estão tão longe? É um fantasma ou existe alguém lá? Percebo que existe uma barreira translucida entre a sombra e o suposto fantasma.
Costumam chamar depressão essa crescente barreira translucida entre a sombra e o indivíduo, mas quando passa muito tempo já não da mais pra saber se há um indivíduo lá de fato ou se ele morreu, fantasma desse ponto de vista é bem pouco sobrenatural infelizmente, por fim o que sobrará dele após a barreira ser extirpada?

Resolvi então parar de tentar falar com o fantasma, acho que ele me controla mas ele não responde, então pelo menos até conseguir eliminar a barreira posso falar da sombra, parece uma auto deturpação mas é possível responder pelo menos, tenho aprendido a ser sombra mas a mansão está ruindo e se eu não conseguir eliminar a barreira pra me tirar daqui vou ser sugado pro inferno junto com todo o resto.