Auto sabotagem e o medo de tentar

Parece historinha de preguiçoso né, mas não é, a luta por tentar e não desistir é contínua, frenética e cheia de "se".

Já não é de hoje, sempre ouço: Auto sabotagem é viadagem é coisa de vagabundo, de gente que gosta de ser a estrelinha dos outros. Também já ouvi que auto sabotagem é coisa da minha cabeça, basta olhar pra frente e pros lados e seguir, ficar com medinho não vai resolver.

Os que dizem isso não entendem o que se passa na minha cabeça, em 5 minutos eu posso ser alegre e feliz e super auto astral e depois mudar repentinamente para triste, preocupado e ausente.

Ansiedade à mil

Enquanto estou criando uma apresentação da minha empresa para justificar que tipo de trabalho quero fazer e o que estou buscando, na minha mente tem 10 pensamentos associados ao: cansaço que estou sentindo; ao medo de continuar tentando; às contas que só chegam e não tenho trabalho, nem dinheiro; ao que vou dizer ao meu pai; como vou conseguir sorrir para os amigos; será que não é melhor desistir e pular do 9˚ andar de uma vez; suicídio não é a solução, as porquê?

Nervosismo

Retração da cutícula do polegar direito, roer as unhas, cavucar as feridas nos pés, transpirar tanto até não conseguir tocar no celular, notebook ou nas roupas que já ficam enxarcadas; com os pensamentos à mil vem os sintomas, dor de cabeça, mãos e pés molhados, frustração somatizada à ação prejudicial.

Sempre ouvir dos outros ou de mim mesmo

Sério estou cansado de ouvir:

— você tem que tentar mais;

— você tem que estudar mais;

— você nem tentou;

— você não nasceu pra isso;

— você é burro;

— você é ruim;

— você tá indo contra a maré;

— você já tentou aquilo;

— você já tentou assim ou assado;

— você é fraco;

— você é todo errado;

— você não presta.

Pensamento positivo

Eu sei, eu tenho que pensar positivo, pensar em coisas boas, gostar do que faço, saber o que faço, encontrar um motivo, parar de viajar e estudar, ser o melhor, ser bom em tudo e ser o sucesso que posso ser.

Aprendi que pensar positivo só permitiu que as pessoas vissem o que tenho de bom e utilizassem isso pra abusar, pra me sacanear, pra me explorar, aprendi que pensar positivo; não me ajudou quando fiquei 3 meses em casa sem sair pra nada anos atrás; não me ajudou na infância a evitar de apanhar porque eu tinha trejeitos femininos; não me ajudou quando fui trabalhar como funcionário e via as coisas erradas, mas tinha que dar risada e aceitar quieto; não me ajudou a conseguir um emprego ontem e hoje; não me ajudou a seguir em frente, pois não estou sabendo como seguir em frente.

Tenho tanto conhecimento e sou tão inteligente como amigos dizem que me sinto: um vagabundo, um fracasso em tudo, um ser todo errado.

Não saber pra onde ir

São tantas as dúvidas, são tantas as perguntas, as especializações e o mundo lá fora diz: pra eu sair, mas os desafios exigidos, que o mundo que eu tinha escolhido trabalhar exigem que eu não me encaixo e não me vejo capaz e nem tenho forças pra tentar.

  • Já me perguntaram e não sei responder: o que você faria se não tivesse computador e nem internet?
  • Já me perguntaram e não sei responder: o que você gosta de fazer?
  • Já me perguntaram e não sei responder: porque você trabalha com internet?

No começo de tudo

Era legal ver o que poderia ser a internet e o que ela se tornou, meu objetivo era: trabalhar com tecnologia, alcancei isso e hoje não sei o que fazer, alguém me enfiou na cabeça que tudo o que produzo no fim das contas é lixo então porque tentar e continuar produzindo? não é melhor só ler, armazenar e sumir das vistas dos outros? pois bem esta receita não tem dado certo, mas não saber o que gosto de fazer tem sido pior.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rick Benetti’s story.