Ensaio sobre a Imaginação

Pensar sobre pensar em mim como um outro não é pensar em mim como um outro. Da mesma forma escrever por ter escrito não é escrever por estar escrevendo. Escrever para mim é estar escrevendo e imaginar é estar imaginando. O ato de imaginar não se encerra, não há uma pós-imaginação, um estado de realidade sem irrealidade. Eu imagino a realidade. Não a realidade real, mas uma realidade imaginada. A realidade real é produto da realidade imaginada.

Assim eu sou constate imaginação em movimento, não me vejo como eu mesmo. Não encontro significado no ‘seja você mesmo’. No entanto, sem que haja um eu definitivo, é constante a negação desse inexistente, de modo que eu nunca me sinto como eu mesmo. Eu não me sinto eu mesmo, pois não há um eu; ou eu não me sinto eu mesmo embora não haja um eu a se sentir.

Eu tento me por no lugar de quem me viu à noite, andando de bicicleta, passar rapidamente. O que a pessoa sentiu ao ver-me assim, anônimo. Se a alegria que eu sentia era genuína, ela transparecia? Será que essa alegria não passou de uma realidade experienciada unicamente por mim (logo, uma irrealidade)? Ou será que o imaginado, o sentido, determinou o real de modo que um sentimento subjetivo tenha sido visualizado concretamente por outro?

Eu penso que aí que mora a empatia, palavra já esgotada, que talvez seja então a designação desse momento de testemunho, o testemunho de uma subjetividade imaginária como possibilidade de sua realidade. Não se trata, no entanto, na negação da irrealidade para transformação em realidade, mas na aceitação de sua co-dominância, da realidade de um enquanto irrealidade de outros e vice-versa. Assim, a imaginação trata-se não da negação à realidade, mas da aceitação da realidade na irrealidade, bem como das irrealidades da realidade, um todo que se soma e se confunde e cuja tentativa de separação pode resultar somente na incompleta percepção de ambos.

Posso me dizer, então, no momento em que passei de bicicleta por alguém, como uma imaginação em real movimento. Ou eu imagino que assim seja.

Like what you read? Give Rodrigo Mahfuz a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.