Lua no rio

Brilho de tolo


quando
— após tanto vagar —
nas suas águas escuras
veio um astro se banhar
hipnotizado fitou
tal brilho o adentrar
que sequer cogitou
seus olhos elevar

esperançoso e iludido
deixou-se acreditar
que regras cósmicas
— aturdido! —
podia burlar
e que com seu rio
— louco varrido! —
exibindo belo luar
a lua estava
— quem sabe? —
a flertar

a si voltou
após duro trovejar
e foi então que distante
de relance
e fora do seu alcance
silente notou
celestial par

a lua cheia
nupcial e reluzente
com o misterioso firmamento
estava a namorar
ainda testemunhou
em cacos e descrente
esplendoroso casal
a-pai-xo-na-da-men-te
mil carícias trocar

vão e inútil
seu tolo devaneio
pois o tal amor
que o pegou
em cheio
atingindo-o
bem
no
meio
nunca passou
do reflexo do brilho
de um amor
até então oculto
e que lhe era
inteiramente
alheio

Renato Magalhães Rocha

Written by

escrevo — visto que morrer soa assaz trágico e apodrecer é algo físico

More From Medium

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade