Bate

Bate coração de poeta.
Bate asas do meu ser.
Bate e se debate contra as palavras, vence a vida.

Escuta essa frase solta no vento.
Escuta o silêncio dos pássaros.
Escuta a voz que arde no seu peito.

Toma e escreve, e conta, e narra
a saga em que todos somos heróis.
Mostra e demonstra, solta a amarra,
me ensina a girar como os girassóis.

Levanta o lençol, descobre o medo,
acorda a criança que há em nós.
Mexe e remexe, sacode o zelo,
livra-nos da companhia de estar a sós.

A caverna é um abismo traiçoeiro,
saiamos dela, toquemos o mundo,
que ele se deixa tocar simples e fagueiro.

A porta está aberta, nunca se fechou,
nossos cavalos já estão preparados.

Basta abrir os olhos, largar o que ficou,
e seremos todos príncipes encantados,
princesas envoltas em lenços dourados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.