Homenagem à Clarice Lispector

Essa mulher que come palavras com colher
e segura nas frases com as mãos!

Não lhe ensinaram que o sentido pertence ao dicionário?

Vocábulos são átomos sujeitos a regras,
gramática é a física da literatura.

Não se pode sair assim juntando coisas.

É feio.

Corre-se o risco de inventar algo novo,
quem sabe perigoso e mortal.

Experimentos com palavras já provocaram reação em cadeia,
é preciso ter cuidado.

Ou pior,
nesse tempo de piratas e sequestro relâmpago,
imaginem se capturam e exigem resgate por alguma palavra estimada?

Por isso eu sempre acompanho minhas palavras
quando elas vão passear no parque.

Não convém deixá-las sozinhas um segundo sequer.

De noite eu as cubro e canto belas canções.
Sabe palavra só pega no sono acompanhada.

Graças a Clarice descobri esse hábitos estranhos das palavras.

Hoje eu também não as como com garfo e faca,
afinal pra participar desse banquete basta ter boca.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.