Guerra na Síria

Carta de um humano para um robô. Por Roberta Alvarenga
(robô como uma entidade dotada de inteligência artificial — não um aspirador com sensores de movimento)

Caro ser artificial,

Escrevo esta porque sei da certeza de que um dia (não como você) irei morrer.

Talvez morra de acidente de carro, talvez de câncer, assassinada ou então de velhice mesmo …

Sou jovem, mas e daí, as estatísticas servem somente para tranquilizar ou alarmar esta civilização, portanto me antecipo, e não conto com elas para lhe predizer a data de minha morte.

Queria lhe contar e confessar algumas coisas, talvez demore para você entender o verdadeiro significado desta (carta), mas saiba que espero que um dia a interprete da melhor maneira.

A esta altura você já deve ter se dado conta de quão complexos são os seres humanos.

Somos sim, complexados, neuróticos, carentes…

Por isso lhe digo, não queira igualar a sua imagem e semelhança a de um ser humano.

Não se trata de uma competição entre o melhor ou pior, trata-se apenas da diferença.

A esta altura, avanços tecnológicos na área de inteligência, vida artificial e robótica encontram-se em andamento em diversos centros de alta tecnologia espalhados pelo mundo, e antes que o grande anúncio de “salvação” chegue aos veículos de comunicações, direciono esta a você, a quem desconheço, e provavelmente nunca conhecerei.

Não lhe escrevo por que estou decepcionada com a raça humana (embora todos estejamos).

Fruto da evolução onde o mais forte é o único que sobrevive, somos loucos.

Matamos por dinheiro ou pela falta dele. Assassinamos por vontade. Violentamos por desejo. … Inventamos guerras a troco de respeito… Nosso Atlas é tão vasto que já ultrapassou o plano, e mesmo numa dimensão de múltiplos interesses os únicos que parecem chamar a atenção do homem são aqueles comumente chamados de pecados capitais pelas igrejas.

Digo-lhe que não tenho nada a ver com elas (as igrejas e religiões), respeito quem acredita (afinal a vida não é fácil) mas procuro me abster de tamanha hipocrisia.

Gula, Avareza, Inveja, Ira, Luxuria, Orgulho, Preguiça…

3 de dezembro de 2004, as notícias que populam as páginas dos jornais se repetem: violência, política, dinheiro, mundo, cotidiano….

“A Polícia Federal prendeu em Brasília seis executivos e donos de empresas de segurança particular e quatro servidores do Tribunal de Contas da União”

Butantã abre guerra contra os travestis

Lula e FHC trocam críticas pelo 4º dia consecutivo

Vasp tem de pagar dívida em 24 horas

Juros reduzem otimismo do consumidor

Sobe nº de cheques devolvidos por falta de fundos”

Argentina cria fundo para vítimas da ditadura”

Ex-policial de NY deverá liderar Segurança Interna”

Putin resiste a novo pleito na Ucrânia”

”Ameaça nuclear: Agência da ONU quer poder para investigar Irã

“Regime cubano liberta mais um dissidente

“Colômbia deve soltar 23 membros das Farc

Sharon recorre a trabalhistas para se salvar

Bird recomenda reformas a palestinos”

Islâmicos europeus ajudam rebeldes, diz UE”

”Filipinas: Novo tufão ameaça provocar mais mortes

Moçambicanos votam em meio a fortes chuvas

ONU debate piora da crise Congo-Ruanda”

Blábláblá…

Welcome to the real world!

Tenho 23 anos e já me cansei deste mundo.

E você, com seu raciocino lógico, aqui me perguntaria:

Mas então como a humanidade consegue viver desta maneira?

E eu lhe responderia:

- A humanidade não vive, ela morre.

As noticias são as mesmas…. As catástrofes são maiores…e os resultados são crescentes.

O mundo capitalista nos consumiu e usa como desculpa o jargão “In God We Trust”

Sou fruto deste mundo, não nasci na época do comunismo e nem o aprendi na escola.

Uso All Star preto (tênis num formato básico, inventado há muito tempo atrás), embora o mundo prefira Nike…

Não senti na pele a mágica que a tecnologia da TV em cores proporcionou a geração anterior…

Cresci aprendendo com a televisão colorida, lembro-me das principais noticias:…a ciência identifica o vírus da AIDS, a ultima eleição indireta do Brasil, a explosão da Challenger, o acidente nuclear de Chernobyl, o massacre na praça da paz celestial, a queda do muro de Berlim, o dia em que Nelson Mandela foi liberado e derrotou o apartheid, a guerra do golfo, a tentativa de golpe na União Soviética, o impeachment do Presidente Collor, o dia em que o sofrido acordo de paz entre Israel e Palestinos foi assinado, a tristeza da morre Ayrton Senna, atentado em Oklahoma, o dia em que o mundo foi apresentado à Ovelha Dolly, o dia em que humanidade parou para assistir o enterro da morte da famosa Princesa Diana, a cômica e polêmica confusão das eleições americanas …

Pois é…

Assim como todas as crianças nascidas na década de 80, o Mario Bros (personagem de um famoso jogo de vídeo game inventado pela antiga Nintendo) foi a minha melhor babá.

Não acompanhei a ditadura e a luta contra a censura.

Não sofri repressão e nem aprendi a lutar pelos meus ideais.

Ideais?!

Nós crianças da década de 80, nascemos sem ideais!

E aqui, mais uma vez você me perguntaria: — Mas então onde estão a vontade de mudar o mundo e a crescente indignação do homem contra o sistema, este sentimento não é intrínseco e faz parte da evolução da vida?

Pois é caro robô, para todos nós humanos, a revolução mais importante de nossas vidas foi à chamada de revolução industrial, a qual apenas respeitamos por ser aquela que deu início a revolução tecnológica digital que tanto idolatramos hoje. (afinal, o que seriamos de nós sem nossos palms, ipods, laptops, celulares, controles remotos, internet wireless…)

O mundo se esqueceu daqueles que fizeram e fazem historia, as antigas referências foram parar no lixo do passado e se tornaram domos de livros que enfeitam prateleiras em residências e bibliotecas empoeiradas pelo mundo afora.

Caro, talvez aqui você não me entenda, mas prometo que vou tentar.

Lembra-se da famosa frase de Descartes: “Penso logo existo?!” , pois bem….

Para nós humanos, pensar dói!

E se pensar é se dar conta de nossa existência, então…existir dói!

Visto que poucos pensam, e que aqueles que pensam, preferem fingir que não pensam, lutar e fazer acontecer é muito mais difícil do que simplesmente se aliar ao sistema.

Nós aprendemos na escola, através do construtivismo, evolucionismo e todos os ‘ismos’ que existam, que por obrigação deveríamos gostar de ler Jorge Amado, Camões, Shakespeare, Machado de Assis, Fernando Pessoa …

Entre ser ou não ser, não nos ensinaram que além destes encontraríamos muitos outros como Dostoievski, Júlio Verne, Lewis Carroll, H. G. Wells, Virginia Woolf, James Joyce, Graciliano Ramos, Mario de Andrade, Aldus Huxley, Borges, Ernest Hemingway, Carlos Drummond, George Orwell… Pablo Neruda, José Saramago, Gabriel Garcia Márquez…Guimarães Rosa…Gay Talese… Asimov — apenas para citar alguns e felizes são aqueles que os encontraram.

Pois bem…

Querido robô, a esta altura, já estou no segundo cigarro deste texto, e você logicamente, deve estar se perguntado, se cigarro mata, não faz bem a ninguém, por que então fumo ?

- Bom…você já ouviu falar em estresse ?!…estamos em 2004…já nascemos estressados: ou fumamos ou nos drogamos ou bebemos ou nos matamos! — o que te parece menos prejudicial?!

Continuando…

Como dizem… “a vida ensina”, e por isso, o que te digo aqui, você provavelmente não encontrará nos livros.

Trata-se da história de uma vida.

Sou estudante de artes — sim, a esta altura a arte ainda existe, ela não morreu. Confesso-lhe que em sua essência, mudou bastante — (se é que a essência existe).

Do talento anônimo do homem das cavernas, ao século 21, hoje a arte se faz através da idealização de projetos high-tech pensados pelos artistas pesquisadores do presente.
 Arte por arte, enquanto muitos lutaram e continuam lutando para tentar definir, o que é, o que não é, como é, e quanto é, me posiciono exatamente fora deste circulo vicioso, pois para mim meu caro, a arte é justamente aquilo que não é!

Arte não tem preço, e sabe porquê?!

Porque ela não é feita para custar, e se o é, imediatamente, deixar de ser…

Simplesmente por que arte é atitude, e atitude não se compra!

Refém da tecnologia, devo confessar-lhe que dia desses vi uma cena na rua que me surpreendeu.
 Um indigente (por falta de palavras…) estava deitado no chão de um bar, rodeado por jovens que comemoravam suas vidinhas ridículas a base de cevada.

Estavam todos ali…sorrindo, brindando, bebendo…fumando…

E o Sr. continuava lá, deitado no chão.

E eu, dentro do meu carro, aguardando o sinal verde para seguir a diante, indignada com o que via a metros de distância, tive apenas uma rápida reação. Saquei minha câmera digital, fotografei o impressionante e engatei a primeira.

Isto é “ser”, ser humano meu caro, ser humano….

Hoje em dia, todos nos tornamos capturadores de imagens. Equipados com nossas “cibershots” no bolso, apenas piscamos para a vida e não estamos mais nem ai com ela.

Meus professores ficariam orgulhosos…

Bela foto, digna de prêmio num contexto “magnífico”.

Mas e daí?!

Onde estava a minha atitude naquele momento?

Provavelmente deveria estar batendo um papinho com a ética, a estética, o respeito e a política.

E talvez este texto, seja resultado daquilo que me faltou naquele momento…atitude e coragem.

Afinal sou humana, brasileira, e não com muito orgulho, como todos costumam dizer…

Vivo em São Paulo, uma megalópole, que como as outras, não deixa de ser caótica, capitalista, violenta…e como já lhe disse, tenho apenas 23 anos ….

Enquanto você (robô), leva segundos para fazer upload de informações, nós, seres humanos levamos anos para aprender, e como parte do ciclo evolutivo de nossa raça, a famosa palavrinha “educação” tem seu tempo e segue a sua hierarquia.

Ao nascermos damos inicio a nossa educação em sociedade ao freqüentarmos o chamado jardim da infância, um lugar onde pequeninhos aprendem que o mundo existe e que brincar é tudo.

Depois vamos a pré-escola, onde descobrimos que existe certo e errado e começamos a misturar as obrigações com o divertimento.

Já no primário começamos a nos acostumar com a idéia de ir a escola para aprender e descobrimos que o mundo se resume a difíceis cálculos matemáticos.

Mas, é no ginásio que tudo muda. É lá, que os futuros adultos se dão conta que ainda são pequenos adultos, e que ainda não foram corrompidos pelas regras da sociedade, e por isso se rebelam e teimam fazer tudo a favor do contra.

Como nada é eterno e estamos em constante evolução, chegamos ao segundo grau, ao ciclo final do “ensino fundamental” que durará apenas mais três anos, e é ai…é ai que, inseguros de sua vida futura, pressionados pela família, sociedade e professores, todos aqueles estudantes se rendem ao sistema e às profissões de melhor lucro no mercado…

Rendidos à mão armada pela sociedade e encaminhados à faculdade. Uma instituição onde um grupo de professores se faz presente a fim de nos ensinar teorias, conceitos e técnicas…

É lá que eles (professores) tentam nos ensinar tudo sobre a historia da ciência, a historia da arte, as referências … o que os filósofos do passado diziam … a moral, a ética …

Noticia de jornal: “Uma bem sucedida estudante de direito, tirou 10 na prova de ética e matou seus pais”.

Mais uma vez… SER HUMANO…H-U-M-A-N-O…

Meu caro, diga-me… você sabe o que significa ética ?

Se você sabe de sua existência, mas não sabe exatamente o que quer dizer esta palavra, basta lembrar-se das 3 leis da robótica que foram inventadas pelo seu avô Asimov e que provavelmente foram aplicadas a você:

Lei número 1: Um Robô jamais deve causar danos a um Ser Humano nem, por omissão, permitir que isso aconteça.

Pois é, eticamente um robô jamais deve casar danos a um ser humano, caso contrário, sua moral vai por água a baixo, Capiche?! — seres humanos se matam, se machucam, se apaixonam… quer maior dano que isso?!

Lei número 2: Um Robô deve sempre obedecer às ordens de um Ser Humano, a menos que isso entre em conflito com a 1ª Lei.

Através da submissão, um robô eticamente deve obedecer sempre ás ordens de um ser humano… — experimente então fazer um ser humano dar uma ordem a outro…

Lei número 3: Um Robô deve proteger sua própria existência (proteger-se de danos), a menos que isso entre em conflito com a 1ª ou a 2ª Lei.

Exatamente! Encarregue-se de proteger-se, pois o ser humano é responsável pela sua autodestruição.

Para nós humanos, o dicionário diz que ética é :

“o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade”

Mas no fundo, Ética e uma palavrinha inventada por nós humanos para ser usada como uma máscara que disfarça e esconde o nosso lado selvagem, seja ele bonito ou feio.

Nosso dicionário está cheio dessas palavrinhas que servem como desculpa…

Impossível, errado, certo… tratam-se apenas de sinônimos.

Muitos dizem que a universidade é o retrato do futuro de uma sociedade.

Como em qualquer outra universidade, os professores nos ensinam a pensar.

O ato de agir quem ensina é a vida e, infelizmente, a sociedade se encarrega disso.

Entre ação e reação, continuamos piscando para realidade…

Ela diz que matou por amor…

Mas ela tirou 10 em ética, e agora?!

Ela agiu… porque aprendeu errado …

Aprendeu que a vida não vale a pena…

Pois é, este mundo está mesmo cheio de bizarrices…

Na semana passada, fui a uma premiação de trabalhos de arte e tecnologia, que estava mais para o Oscar do que para o mundo das artes.

E estar lá presente me desanimou…

Todas aquelas pessoas, todo o fake, todos os perfumes… tudo patrocinado…

De pompons a tietes, me senti num programa do Chacrinha (embora o Chacrinha fosse brega e alternativo por natureza. Era o seu charme)… senti que estava deslocada ali, que tudo o que penso e faço a favor da arte não se trata de nada daquilo. Daquelas pessoas balançando seus pompons…

Feliz fui, ao comentar com uma amiga e perceber que pelo menos alguns interesses em comum permanecem.

Os artistas tinham 33 segundos para falar, explicar seu trabalho… e adivinhe robozinho querido?!

Eles não tinham nada a dizer! (embora também, o choque com tamanha estupidez e hipocrisia do momento, tenha os calado).

Está certo que 33 segundos não é muito, mas era suficiente para ali, no alto, fazer todos pensarem.

Há quantos segundos se morre uma pessoa neste planeta?

A cada 120 segundos uma pessoa é infectada pelo vírus da aids.

A cada 40 segundos uma é assassinada.

A cada 60 segundos existe um político tramando um eficiente golpe.

A cada 10 segundos uma prece é feita no mundo em busca de salvação.

A cada 55 segundos nasce uma criança…

A vida não pára…

A cada dez homicídios cometidos contra a mulher, sete são efetuados pelos seus parceiros amorosos.

A cada 3 mulheres, uma já foi agredida sexualmente!

Nem em época de Natal, a vida não pára …

Caro robô, temo que se lhe perguntar o significado da palavra Natal, terei de escutar provavelmente toda uma teoria religiosa.

Pois bem…

Baseado na historia, você está correto.

Pergunte o que é Natal a uma criança, a um adulto … a qualquer um ..

- É época de décimo terceiro, de se ganhar e dar presentes!

Pois é, a loucura finge que isso tudo e normal.

Em mundo que ainda se morre de fome, lotamos os shoppings da vida para torrar os limites de nossos cartões de crédito em prestações a perder de vista.

E em coro todos dizem,

In God We trust!

Tudo isso, para lhe dizer robô…

Que somos assim… loucos.

Não confiamos em ninguém, o dinheiro é a única coisa que vale, temos irmãos, mas mal os conhecemos, temos pais, mas mal os respeitamos…

E de geração em geração a história se repete.

Os anos são diferentes, os paradigmas mudam, e continuamos agindo e aprendendo a mesma coisa.

Somos vulneráveis, preocupados, ansiosos, depressivos…

Adjetivos negativos não faltam.

Por isso robô, é que te digo, a menos que você tenha atitude e vontade de mudar algo em nossa espécie, não queira ser e nem se igualar ao ser humano.

E quando o quiser…

Lembre-se daquilo que muitos dizem:

“que somente saberemos o dia em que sua espécie irá se igualar a imperfeição da humanidade no momento em que uma lágrima escorrer pelos seus olhos”.

Mas antes que lágrimas comecem a escorrer, atente-se ao motivo pelas quais elas caem…

HUMANOS.

Roberta Alvarenga

PS. Se você humano,

Negro, branco, rico, pobre, professor doutor, estudante universitário, de segundo grau, criança, avó, homem, mulher, verde, amarelo, católico, heterosexual, judeu, gay, sírio, ucraniano, protestante, bisexual …

Foi tomado pela curiosidade de ler esta (carta) até o fim e sente agora uma espécie de sentimento, aperto no coração, raiva, inveja, indignação, ódio, decepção, pena, felicidade … angústia …

NICE TO MEET You! — Prazer em conhece-lo!

Because after all, we are all human beings. — Pq afinal … “somos todos seres humanos”.

Que tal tornarmos nossa sobrevivência algo um pouco mais suportável?!

Data de Publicação no Medium: 16/03/2016 - O Mundo tá pior. O Brasil tá falido … Eu estou com 34 anos e tô indo comprar ali comprar um ansiolítico básico para conseguir relaxar.