Not today

Esse não é um texto sobre minha necessidade e insistência em construir um mundo melhor com o conhecimento compartilhado. Essas sensações têm ficado aos poucos, nas recordações da fase acadêmica.

Então lá vai. Not today!

Entre uma sugestão e outra do meu Spotify, escutei a melodia que agradou ao meu ouvido. O cenário está ideal: cama, cobertas, fim do dia e chuva, terça-feira. Escutei-a por umas dezesseis vezes! 16? É.

Para os que convivem comigo, sabem que a minha essência vem da musicalidade e sempre tem aquela voz, aquela guitarra ou aquela letra que de alguma forma rasgará a alma. Quantas vezes você ouviu aquela música daquela banda que você adora e até dançou e cantou em frente ao espelho? E aquela letra que toca o seu interior e permite mil reflexões?

Não faço ideia do caminho que percorrerei com este texto. Mas quem convive comigo, sabe da minha facilidade com as palavras e a proporção estrondosa que uma frase mal escrita pode significar na minha vida.

A música que faço referência, é Not Today do Imagine Dragons. Com ela, reaparece aquele tipo de questionamento interior famoso “e se…?”

Entre muitas delas elenquei algumas:

  • E se hoje eu não estiver em condição alguma de lhe fazer com que veja o lado positivo numa situação catastrófica?
  • E se eu perder essa habilidade? Eu ainda serei a solução para os muitos dos seus problemas?
  • E se por algum momento da minha carreira jovem, eu tiver picos de ansiedade que me façam perder a razão?
  • E se eu me conformar e a esperança desaparecer?
  • E se todos os pontos acima aconteceram ao mesmo tempo, eu ainda continuarei a ser eu mesma?

Eu decido, me interromper! E a letra já diz “It’s gotta get easier and easier somehow”. Permito-me parar e refletir até pegar a estrada novamente.

Assim, hoje não. Hoje eu não quero saber se serei a business woman que tanto sonho desde pequena. Hoje não quero pensar se encontrarei o amor da minha vida. Hoje eu não quero pensar no vestido do meu casamento. Hoje eu não quero pensar no nome do meu filho. Hoje eu não quero pensar na próxima pós-graduação que eu devo fazer para atingir meus objetivos.

Hoje eu quero me permitir. Até porque todos os meus planos estão aqui, dentro dessa cabeça barulhenta. Apenas decidi não contar o que eu desenhei, porque é assim, tão mirabolante e fascinante e uma coisa eu garanto, é incrível, assim como essa pessoa que vos escreve.

Então tá. Prove! Permita-se! Libertador.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.