A arte da negociação.

Um dos meus trabalhos na Trend é a captação de projetos. Além de produzir as pesquisas, sou eu quem fica na linha de frente com o cliente, entendendo as demandas, apresentando e negociando propostas. Ufa, é muita coisa (e muito gerúndio).

Confesso que a parte da negociação não é minha tarefa preferida, pois nunca gostei muito de cabo de guerra: prefiro sempre apertar a mão do que machucá-la. Nos negócios, gosto do conceito de “ganha-ganha”. Projetos justos, nos quais todos saem com um sorriso no rosto.

Pesquisando sobre o assunto, li um post da Endeavor que cita as 4 principais dicas para uma negociação de sucesso: demonstrar empatia, perguntar para entender, argumentar e confirmar o entendimento para fechar o negócio.

Além de concordar, eu acrescentaria mais outras 2 dicas:
- Não seja chato. Cuidado para não ficar cansativo aos olhos do cliente. Muita “perguntação”, pode ser na verdade um diálogo chato que vai acabar com a empatia (e possível simpatia) que o cliente sentiu com você.
- Dê espaço. Se você já argumentou, diminuiu seu preço e rebolou, mas mesmo assim seu cliente ainda está com dúvidas, dê o espaço dele e não insista tanto. Nesse caso, o melhor a fazer é se valorizar para que ninguém fareje insegurança.

Negociar não é uma tarefa simples. É um exercício para tentar resolver o problema de dois lados. É um treino, que quanto mais se negocia, melhor se fica.

Então… bora treinar!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.