Carne feita cometa

gelo fogo 
carne feita cometa 
primeiro gelo, distante — fúria residual 
depois, após o beijo — a contra-profecia
a poesia das trajectórias cósmicas.

o fogo em crescendo desfraldado até ao osso
daqui até ao Big Bang
a transbordar como não há registo dos leitos canónicos

escuta até à loucura as colisões 
umas atrás das outras entre os cadáveres dos deuses 
e delas as partículas eternamente 
digo: ternamente exóticas.

um nome seguro nos lábios
no nosso encalço a luz.