Ulisses em contramão

A escada de Jacob caiu e envolveu-se emocionalmente com a planície. Da relação nasceram os socalcos, mas nem é isso o que mais interessa. O que era fácil tornou-se deveras difícil ou um pouco mais que isso; se admitirmos a jornada como um desporto de resistência, então, surgiram complicações inéditas. O caudal de atletas vai diminuindo, a pouco e pouco, ao que pude apurar, a cada degrau. A cada metro, corpos caídos; gente a propagandear que tudo melhorará no próximo patamar. A cada degrau há quem acampe pensando: “Este é o meu limite, não adianta subir mais”. A cada minuto há quem esteja prestes a vacilar no próximo passo. A cada dia há provavelmente quem se transcenda, quem encontre cisternas de energia em redor de memórias tapadas de cinza. A cada noite a tribo de Ícaros resignados aumenta. O que de importante havia na vida ficou lá atrás, doravante inalcançável. Os regressos teóricos, os Ulisses em contramão. Cada degrau é um apeadeiro periclitante entre o ontem e o que poderia ter sido. A futuro é aquela província para lá do nevoeiro, localizada no degrau seguinte, sempre no degrau seguinte. Subir para onde? — é uma das indagações possíveis. Com que intuito — outra? Alguém alguma vez chegou ao fim? — outra ainda. Será a subida um artifício para ocultar a nossa inteligência romba? — a última. Subir é, afiançam-nos os livros de ciência, deixarmos para trás a fauna e a flora, uma espécie de cada vez, prosseguirmos como que de forma inverosímil até um sítio no qual não seria suposto existir vida. Efectivar-se, portanto, como o único ser vivo a povoar os cumes estéreis será — pergunto — um objectivo salutar? Que modo estranho e cansativo de o homem se tornar eremita. Subir: o mais exigente ritual de despojamento. Perguntem isto aos sábios, se acaso os encontrarem na escalada. Somos todos caminhantes — amiúde turistas, a tocar ao de leve nas coisas — rumando em direcção ao ignoto, em direcção aos nomes imutáveis, como Destino, Deus, Amor (para nosso bem, vamos supor que também o é) ou Morte. Antes disso já muitos de nós se separaram, os caminhos bifurcaram; os demais escolheram os fictícios atalhos, aliciados pelo demónio, pois o Diabo tinha coisas mais prementes para tratar.

Caminhamos em direcção ao Sol, em direcção à luz, embora não o saibamos e a afeição crescente às trevas possa inverter, a qualquer momento, o desfecho.