O mundo é bão, Sebastião!

Você já se sentiu estranho, errado, diminuído em meio a um grupo qualquer?…

Uma situação assim se repetiu 2 vezes comigo essa semana e eu fiquei refletindo sobre ela…

Uma vez num aniversário de criança, outra no parquinho do condomínio, aqueles redutos da “família tradicional brasileira”…

Ser julgado quando põe a cara no mundo ok, normal, mas foi o mesmo questionamento, com o mesmo tom em 2 dias!

Duas senhoras, uma em cada situação, me chamou e, em alto e bom som, pra todo mundo ouvir, nada de discrição, perguntou: "Você não vai ter só ela, né?!"

E eu “ahm… não sei… por enquanto, sim” Porque eu não sei MESMO! haha Sabe quando a pergunta é sobre algo que você realmente não pensa sobre e aí você se pergunta antes de responder e fica um momento esquisito, constrangedor?… Foi isso!

Em seguida ouvi um “Ai, que DÓ! Mas ela já tem 7 anos…” e aquilo me tirou do ar por uns minutos…

Fui “sequestrada” pelo padrão mór de quem quer, mesmo sem saber, pertencer: Me Justificar. (que atire a primeira pedra quem nunca… -.-')

Depois de umas 2 frases que Sequer faziam sentido pra mim, eu calei, pedi licença e saí com um Nó na garganta, uma vontade de voltar dizer “Amiga, quer uma prestação da escola pra pagar? Tá a fim de pagar minhas contas pra decidir quantos filhos eu vou ter?”, mas eu respirei. ;P

Respirei e pensei “Ok, ela tá me entregando o que tem: ideias preconcebidas do que é certo e errado… quem vive fora dessa caixinha sou eu, o que Ela tem com isso, né? Quem sou Eu pra impor minhas ideias a ela também?… Aliás, por que isso me incomodou mesmo?…”

2 dias depois… no parquinho, a MESMA pergunta: “Mas você não vai ter só ela não, né?!”

pre-gui-ça

Dessa vez fui categórica e falei: "Por agora, sim! Tá bom, né? :D"

“Mas que absurdo!!! Devia ter pelo menos 3zzzzZZzzzzZZZZZzzz…"

Dessa vez eu fui pro outro lado do ringue, vesti as luvas de pelica e fiquei esperando o juiz autorizar.

Segundos antes uma outra mãe tinha comentado que "Filhos tinham que ter a mãe em primeiro lugar, antes de qualquer outra coisa…"

E eu fiquei pensando "mas filhos não deveriam ter eles mesmos em primeiro lugar?… enfim…"

Afiei a língua e mandei: "Então, vou ter só uma porque quero ter vida além dela, sabe? Pra quando chegar a hora dela viver eu não ficar cobrando nada depois…"

Gente, eu SEQUER penso assim… Como a insegurança nos faz virar crianças, né?

Me vi praticamente inventando um argumento pra não "ficar por baixo"…

Não adiantou, claro. Eu estava acuada. E bicho acuado fica com sangue no olho, assusta mais do que predador caçando…

Vi vários olhos voltados pra mim com uma reprovação ainda maior do que antes, pessoas que talvez um dia me ouvissem, mas agora vão se fechar ainda mais em suas opiniões porque eu não soube lidar com a pressão diante do grupo tão diferente de mim.

Perdi uma grande oportunidade de trazer pra perto, de respeitar o coleguinha, assim como fizeram comigo.

Fechei o assunto e voltei pra casa com um embrulho no estômago, me perguntando porque eu estava ali, conversando com aquelas pessoas, se nenhuma delas se parece em NADA comigo… Por que a minha filha estava convivendo com crianças que não são, em definitivo, criadas com valores próximos aos meus… Por quê?

Simples: Porque o mundo é bão, Sebastião! :D

E é exatamente em situações assim que temos grandes oportunidades de ver o quanto não vivemos o que falamos ou pensamos.

É no mundo que temos a chance de nos tornarmos quem queremos ser. É o jogo-treino.

Percebi quantas vezes me senti incompreendida sem nunca reparar que era o meu comportamento que mostrava uma gritante imaturidade diante do limite do outro.

Ser quem se é sozinho ou perto de quem nos entende é fácil! Desafio é Ser sem se impor, sendo gentil, respeitando o outro no mundão de meu Deus!

Mas sabe? Eu gostei!

Gostei porque pôr a cara no sol de verdade é o jeito mais rápido de se aprender sobre si mesmo.

E eu me sinto hoje 1% mais preparada pra viver lá fora. ❤

NOTA MENTAL: Mas não precisa ficar procurando problema por aí, tá? Tem um grupo que te incomoda, que não tem nada a ver com você? Convive menos… Vai só quando estiver bem consigo mesmo, né? Se protege sempre que possível! :)

No resto do tempo, procura a sua turma, onde você pode se mostrar, luz, sombra e stranger things sem ninguém pra te encher. Vai ser feliz! ❤ ❤ ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.