20/09/1942: o dia em que o Palestra virou Palmeiras

A história da Sociedade Esportiva Palmeiras se confunde com a da imigração italiana no Brasil. Os italianos começaram a dar as caras por aqui no final do século XIX. Buscavam um lugar ao sol nas fazendas de café do interior paulista. No início do século XX, quando a indústria nacional dava seus primeiros passos, as fábricas passaram a absorver a mão-de-obra de nascidos na “bota” e outros países europeus. Influenciados pelas ideias socialistas e anarquistas do Velho Continente, os trabalhadores estrangeiros organizaram os primeiros sindicatos no Brasil.

A cidade de São Paulo abrigou a maior parte dos imigrantes. Aos poucos, associações de colonos foram criadas para promover atividades esportivas, sociais, recreativas e culturais. Nesse contexto, nasce o Palestra Itália em 26 de agosto de 1914. Quatro amigos italianos — Cervo, Marzo, Ragognetti e Simone — idealizaram a nova agremiação, sendo o último escolhido como primeiro presidente do Palestra.

A estreia no futebol profissional ocorreu em 1916. O primeiro título veio em 1920: o Campeonato Paulista. O Palestra Itália voltaria a erguer a taça do certame estadual em 1926, 1927, 1932, 1933, 1934 (único tricampeonato da história alviverde), 1936 e 1940. Conquistou também o título do primeiro Torneio Rio-São Paulo em 1933. A torcida palestrina idolatrava os craques responsáveis pelas primeiras glórias: Oberdan Cattani, Bianco, Romeu Pellicciari, Echevarrieta, Heitor, entre outros.

Enquanto o Palestra conquistava cada vez mais adeptos, o presidente Getúlio Vargas alterou a Constituição em 1937 e implantou o Estado Novo ditatorial. A Segunda Guerra Mundial explode em 1939 e o Brasil adota uma posição inicial de neutralidade. Pressionado pelos Estados Unidos, um dos seus principais parceiros comerciais, Vargas declara apoio aos Aliados e consequentemente contra o Eixo. Essa definição iniciou uma perseguição sistemática dos órgãos governamentais contra pessoas e instituições das colonias germânicas, italianas e japonesas presentes no Brasil.

O Palestra Itália foi vítima desses ataques. Os italianos eram chamados de “carcamanos” ou “inimigos da pátria”. O clube correu o risco de perder todo o patrimônio se não atendesse exigências das autoridades do Estado Novo. Uma delas era a mudança do nome. Durante alguns meses de 1942, foi rebatizado como Palestra de São Paulo. A Sociedade Esportiva Palmeiras — nome que lembra a planta típica dos trópicos — surgiu em 14 de setembro de 1942.

No dia 20 de setembro de 1942, seis dias após virar Palmeiras, o Alviverde decidiu o Campeonato Paulista contra o São Paulo. Jogadores palmeirenses entraram no gramado do Pacaembu ostentando a bandeira do Brasil. O episódio conhecido como “Arrancada Heroica” consagrou a estreia vitoriosa do Palmeiras: 3 a 1 contra os rivais e a primeira taça com a nova denominação.

Mais do que um título, o jogo da “Arrancada Heroica” simboliza a resistência do clube contra a opressão do Estado Novo. O Palmeiras mudou de nome, mas o Palestra Itália nunca deixou de existir. Até hoje, as tradições do país nativo dos fundadores são mantidas no clube com eventos, camisas comemorativas e diversas ações publicitárias. O Palmeiras que nasceu campeão em 1942 continuou colecionando títulos, sempre empurrado por uma torcida imensa que ultrapassou as fronteiras da comunidade ítalo-paulista.

O rebatizado Palmeiras, ex-Palestra Itália, entra em campo com a bandeira do Brasil no primeiro jogo com o novo nome (20/09/1942)