Entre as tantas matérias ofertadas no curso de Direito — estando na terceira fase, vale ressaltar, desconheço a maioria — , a cadeira de Constitucional destacou-se, hors concours, como minha favorita.

Tendo percebido a importância do autodidatismo na graduação, comentário que teço sem criticismo ou destinatário qualquer, resolvi buscar obras mais aprofundadas no assunto.

Decidi utilizar o “Curso de Direito Constitucional”, de Gilmar Ferreira Mendes e Paulo Gustavo Gonet Branco, em sua 9ª edição, como meu livro-texto.

Demais livros também me servirão de base teórica, como os de José Afonso da Silva, Paulo Bonavides, e outros tantos. Prender-se a uma doutrina, acredito, é como julgar os fatos baseando-se em um único depoimento. Pode vir a dar certo, mas os riscos são enormes. Evitarei-os.

A obra de Gilmar Ferreira Mendes pareceu-me um excelente balanço entre texto complexo e acessível, pois, apesar de mesclar diversas doutrinas e possuir considerável grau de profundidade, é escrita em linguagem bastante inteligível e fluida.

Em linhas gerais, meu objetivo é este: fichar os capítulos, um a um, como forma de compreender melhor a obra.

Além de facilitar o acesso aos textos, o Medium servirá como um incetivo. Quem sabe assim não abandono o projeto pela metade.

A presto!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.