Segredos do Marketing Político Digital

O novo eleitor, o conectado, tem sempre o mesmo perfil?

O perfil do eleitor que usa os canais digitais para ter mais informações sobre política está longe dos estereótipos.

Cerca de 46% dos eleitores no Brasil tem acesso a internet, e a maioria não se considera nem de direita, nem de esquerda, não segue um partido e vai definir seu próximo voto com base nas propostas e no histórico dos candidatos.

E o Whatsapp nas últimas eleições, foi mais um modismo?

Esse eleitor não fica alienado na internet e tem o hábito de se informar por meios impressos e pela televisão. A informação que vem dos amigos ganhou mais destaque com o crescimento das redes sociais, do que as dos meios tradicionais. Conteúdos, oriundos de meios instantâneos, como o Whatsapp, tendem a ter mais importância, ainda mais quando a pessoa que enviou o conteúdo possuir certa credibilidade e respeito em relação a quem recebeu.

Como envolver esse novo eleitor, o conectado?

Nas eleições passadas, pude aprender muito com a estratégia de envolvimento inteligente. Como criar segmentações, criação de conteúdo coerente e sempre com a visão de quem recebe, e não só com a preocupação de atender os interesse de que envia.

O que posso dividir com vocês foi o que desenvolvi no papel de Coordenador da área de SocialCRM (Whatsapp Marketing, Facebook Notification, SMS, Email-Marketing e DataSciense) do candidato Aécio Neves nas eleições de 2014.

Vejam mais na Palestra que realizei no Social Media Week 2015 sobre os Segredos do Marketing Político Digital.



One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.