Caça aos príncipes

Do alto do meu cavalo branco, mesmo que mecanizado, digo que já não mais existem príncipes.

Identificados como fracos, retiram-lhes o direito de ter defeitos.

Foram caçados. Extintos e aprisionados, um a um, por bruxas em pele de princesas que queriam o castelo já construído e a cabeça do dragão já morto.

Tudo em nome de um feminismo exacerbado e inconsequente.

Do alto do meu cavalo branco, mesmo que encardido pela cinza do asfalto, digo que os sapos continuaram.

Estes sim estão na moda.

Agora, possuem formas e aspectos diferenciados, revestidos pela farda suja do cotidiano e do espírito torto de grupo.

Aos príncipes que se foram, HONRA.

Aos que vierem CORAGEM e LIBERDADE.

Like what you read? Give Rodrigo Herthel a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.