Sobre Detox (e o sentido da vida)

Recomento o suco!

Do início do ano pra cá comecei a pensar na saúde e em tentar me desintoxicar. Voltei a praticar aquela velha corridinha até o bairro vizinho e voltar, comprar mais frutas, baixei aplicativo pra regularizar minha hidratação, dentre outros posicionamentos simbólicos de que eu queria ter uma saúde melhor para aguentar as madrugadas tocando ou produzindo por ai.

Hoje já estou lendo sobre alimentação saudável, me matriculei numa academia e até já perdi alguns quilos até o meio desse ano. Até aí tudo certo, mas os momentos de recaída eram os piores: muito álcool, fumaça e gordura eram os resumos dos fins de semana. A nóia de se regular a semana toda acabava em 2 tempos com todo o trabalho.

Saindo da saúde física e entrando na saúde mental, os vacilos eram os mesmos. A cada dia as bads tavam piores e para dar aquela relaxada botava pra tocar as tracks preferidas, queimava um e entrava naquele grupo de whatsapp onde os parceiros ficam trocando ideia o dia todo.

Fico pensando em como fazer um detox da mente. Uma vez ouvi de um amigo a seguinte frase: “Posso controlar o que eu falo mas não o que eu penso!”. Esse é o resumo da capacidade da mente em pensar milhares de coisas, mas falar apenas dezenas. É tentar equilibrar o micro cosmo interior com algum discurso sistemático que possa fazer sentido na cabeça das outras pessoas também.

“Posso controlar o que eu falo mas não o que eu penso!”

Tô baseando a existência numa ideia de conectar corpo + mente + espírito(?) para construir coisas. Não sei se é só construir algo em mim, mas algo que possa reverberar na vida de outros também. Tô começando a achar que o sentido da vida é esse: estar na melhor possível para resistir aos baques e criar. Tentando fechar a boca pra não me poluir e abrir a mente para despoluir.