Como começar um negócio social?

Artigo publicado em 28/12/2010 no Blog Santander Empreendedor

Mudar o mundo e ainda ganhar dinheiro com isso com certeza é uma proposta tentadora para qualquer jovem que acaba de se formar, executivo ou milionário que sente uma certa culpa, ou anda desiludido com seu trabalho ou o que vê ao seu redor.

A idéia de um modelo híbrido, que aproveite o melhor dos modelos das empresas e das ONGs (Organizações não-governamentais), seja inovador, gere alto impacto social positivo e seja rentável e auto sustentável financeiramente, parece ser a solução para todos os problemas crônicos; tanto do setor social como das empresas, sendo tido como a “bola da vez” do setor social no mundo. O modelo é reforçado com o prêmio Nobel de Muhammad Yunus, centenas de eventos, prêmios, livros e artigos de gurus dos negócios ao redor do mundo sobre o tema.

Mesmo com todo o ”hype” em torno do tema, o setor e conceito ainda são novos e há poucos exemplos de negócios sociais lucrativos ou que tenham obtido alto impacto social no mundo, o que ao mesmo tempo é um desafio e também uma oportunidade de começar antes e sair na frente. Para isso, temos de refletir e nos perguntar, “o que fazer para começar e tornar um negócio social bem sucedido?”.

Para apoiar os empreendedores que querem fazer de “mudar o mundo” o seu negócio, listamos abaixo algumas dicas e perguntas a serem respondidas como guia nesta jornada:

1 - Lembre-se que fazer um negócio ou iniciativa social tradicional dar certo já é bastante difícil. Portanto, esteja preparado para ser paciente, persistente, estudar muito os modelos existentes e estar disposto a ouvir, conhecer e aprender sempre. O início não será fácil nem o sucesso rápido.

2 - Saiba que um negócio social tem que gerar lucro e ser rentável na mesma proporção e grau de importância que tem de beneficiar e melhorar a qualidade de vida de pessoas, o que não é nada fácil nem simples, pois é necessário que o empreendedor tenha, simultaneamente, visão de negócio e alma de empreendedor social.

3 - Lembre-se que seu cliente é também seu beneficiado e que, muitas vezes, estas pessoas têm pouca renda, mas muito talento, sonhos e expectativas, assim como têm histórico de falta de acesso básico a saúde, educação e direitos básicos. Assim, esteja preparado para não frustrar, gerar pré-conceitos nem subestimar este público.

4 - Você não irá conceber um modelo transformador e inovador de sua sala de estar ou escritório. Por isso, não fique eternamente planejando. Vá para a rua e comece! O aprendizado que vem da experiência prática e dos erros e acertos em “pleno vôo” é muito mais sólido e traz os ajustes e aperfeiçoamentos necessários, com possibilidade de inovação do seu modelo. Tenha e valorize tanto o planejamento como “fazejamento” em igual proporção.

5 - Seja um verdadeiro detetive ou cientista do seu negócio social. Ou seja, observe muito e sem parar, mas, ao invés de ser um cientista ou detetive que apenas observa “de fora”, coloque a mão na massa e interaja com as pessoas, conheça seus nomes, seu comportamento, seus sonhos, demandas, interesses e potencialidades. Construa junto e COM as pessoas e não PARA.

6 - Lembre-se que um negócio social é um negócio. E que um negócio tem de ser viável para existir e continuar. Como todo negócio, ele tem desafios de custos, preços, marketing, distribuição, recrutamento e seleção de pessoas. Portanto, faça um bom planejamento e exercício de viabilidade para seu empreendimento social. Só que, em vez de um Plano de Negócios tradicional como os que já existem no mercado, acrescente perguntas como: “Como isso pode ser inclusivo e beneficiar pessoas?”, “Como incluo e beneficio pessoas na cadeia de produção? E na distribuição dos produtos e serviços que vou oferecer?” “Que comunicação, preço e formas de pagamento são mais adequados a este público de acordo com sua a realidade e costumes?”

7 - Busque apoio e não faça sozinho. Existem em todo o mundo pessoas, universidades, organizações de apoio e investidores interessados em FAZER JUNTO. Como exemplo, podemos citar a Artemísia, Ashoka, Fundação AVINA e centenas de outras. Uma busca no Google e você irá se surpreender com a quantidade de cases de sucesso, artigos, organizações e gente querendo que você dê o próximo passo e comece esta jornada!

Você tem alguma dica, idéia ou exemplos para contribuir e compartilhar? Excelente! Compartilhe conosco e contribua para que cada vez mais empreendedores iniciem negócios que contribuam para a redução de desigualdades e com objetivo de mundo melhor!