Sobre sonhos, você e o tempo: Saltos e passos para fazer o grande com pequenos

Sonhos são projeções desejadas, expectativas de futuros que gostaríamos de ver, construir ou fazer parte.

Dependendo da dose, podem ser combustível ou armadilha.

Combustível existe para inflamar e gerar movimento, mas sempre requer cuidado para que não exploda ou te consuma.

Sonhar grande ou perfeito demais pode gerar ansiedade, paralisia, insegurança ou decepção caso a imagem da projeção desejada torne-se mais sedutora e atraente do que a realidade em construção.

Aí passa-se cada vez mais a alimentar um desejo crescente, viciante e impossível de ser saciado por uma ilusão de futuro nunca atingido. Tudo isso enquanto o presente passa.

A realidade tem furos, faltas e excessos, manchas e imperfeições que requerem melhorias, colaboração, e que as tornam ao mesmo tempo mais incompletas e interessantes do que ilusões artificiais.

Em meus 35 anos de vida já sonhei, realizei, fracassei, vivi e convivi com sonhadores e realizadores. Já me empolguei e celebrei, me iludi e me decepcionei comigo mesmo e com outras pessoas.

Este texto é um pouco do que gostaria de registrar sobre sonhos e realização.

Campos, imagens e ferramentas de alteração da realidade

Sim, sonhos, quando empolgantes e nítidos, mobilizam a ação, pessoas e produzem campos de alteração da realidade. Campos onde possibilidades do que pode vir a ser afloram ou nunca chegam a existir.

Eles existem e são tão empolgantes e envolventes porque a definição de “realidade”, do que é ou não “possível”, é quase sempre uma questão de interpretação (se preservadas as leis da física).

Esta “nitidez” de um sonho não vem de fábrica nem surge na forma de um insight fulminante para pessoas iluminadas. Ela começa como um palpite, um rabisco ou uma imagem ainda rebuscada.

É mais um chamado que ativa a curiosidade e inicia um processo de explorar, agir e tatear possibilidades para algo novo, melhor ou diferente.

À medida em que exploramos e mergulhamos neste chamado, conhecemos e aprendemos mais sobre o objeto e contexto do sonho e destes futuros possíveis, assim como aprendemos sobre nós mesmos e nossa capacidade de realiza-los.

Apenas com curiosidade, mergulho e ação ampliamos nosso repertório de capacidades e avançamos casas neste jogo. À medida em que avançamos, tanto nossos sonhos (imagens de futuros desejados) como o que sabemos sobre nós mesmos fica mais nítido e claro.

Com visão mais nítida e melhores ferramentas (nosso repertório de aprendizados e capacidades), nossas mãos tornam-se mais hábeis e aptas a construir e moldar o que nosso coração deseja.

Ao invés de sonhar algo grande demais e correr o risco de se imobilizar ou alimentar uma ilusão, que tal pensar em uma rota de exploração e direção a seguir?

Que tal definir alguns “saltos” ou marcos chave (objetivos atingíveis em 3 a 5 anos) nesta rota que sejam empolgantes e façam você dar passos largos e mergulhar sem arrebentar a cabeça ou se afogar?

Passos e saltos são ações com esforço e intenção, que consomem energia e produzem feedbacks. A cada salto ou passo (certo ou em falso) você torna-se tanto mais próximo como mais apto para o que está por vir.

A vida toda acontece em um dia — Sobre rédeas de sonhos, do tempo e ter pressa com toda a paciência do mundo

Para evitar a ansiedade paralisante, a ilusão de viver em “day dreaming” e a confusão que sonhos grandes podem gerar, a melhor estratégia é reduzir a complexidade, simplificar.

Para tomar as rédeas dos sonhos é necessário tomar as rédeas do tempo.

E o único “tempo” real é o presente, acontece na simples e gerenciável escala de 1 dia. Tudo, sempre, acontece ou é construído em um ou mais dias.

Portanto, ao invés de querer fazer ou pensar em muitas coisas simultâneas em uma confusão de compromissos,idéias e ações, tente definir quais são as 3 ou 5 coisas que você irá fazer todos os dias para que, na soma destes atos diários, você construa algo relevante e que sinta orgulho.

Isso se aplica a grandes projetos, sonhos e mudanças profissionais e pessoais. Coisas grandes e difíceis quando quebradas e realizadas diariamente tornam-se possíveis de acontecer. É aquele avanço de 1% realizado diariamente cuja soma é o sonho / objetivo atingido.

Para facilitar a memorização, eu defini para mim mesmo (de 2014 para cá) quatro ações diárias padrões (que não se alteram por um bom tempo) e de 1 a 2 ações que defino e realizo diariamente. Para mim as ações diárias padrões (relacionadas a objetivos de médio / longo prazo) são: 1 hora de exercícios, 30 minutos de leitura, deixar a casa arrumada e ter uma alimentação X.

Já as ações definidas diariamente são feitas pela manhã e geralmente relacionadas a trabalho. São 1 ou 2 missões / entregas importantes do dia para algo maior que já vive na minha intenção e pensamento.

Posso atrasar emails ou outros compromissos, mas não posso deixar de fazê-las. A cada dia coloco ou não mais tijolos no que quero construir e deixar em vida.

Ações diárias são escolhas, decisões, recusas e esforços diários para algo maior.

Se você reduz toda a complexidade e confusão para 3, 4 ou 5 coisas que você faz todos os dias, é fácil se lembrar, assim como é fácil você medir e gerenciar você mesmo e a sua confusão para que aquilo que espera construir venha a existir.

Um mural na parede ou checklist diário destes pontos que o permita ver sua performance ao final de cada semana ou mês irá ajudar a manter-se manter no trilho e motivar a percorrer a próxima milha.

Quando reduzi a complexidade e cheguei a conclusão de que realizar sonhos é a soma de ações conscientes diárias, percebi que trata-se de agir simultaneamente com muita pressa e toda a paciência do mundo.

É importante dizer que nada disso é para que você vire um robô ou ninja da produtividade (“Busy is the new stupid”), mas que possa tornar-se mais consciente em relação a você e como está lidando com o tempo, inclusive para ter mais tempo e dar melhor uso a algo que vai muito além do trabalho chamado vida.

Se o tempo é o único recurso que só se esgota e é irrecuperável, dê bom uso a ele. Dias bem vividos são vidas bem vividas.

Sobre recomeçar e manter-se no bom rumo

Nesta jornada você irá perceber que mais importante do que definir saltos e iniciar ações diárias é desenvolver a capacidade de retomar e recomeçar.

Com certeza você irá falhar, esquecer, ficar um ou vários dias fora da sua rotina de realização pelos mais diversos motivos. Nestes momentos você olha para o seu “painel de controle” diário e sente-se culpado por ter furado com você mesmo e postergado a construção do que mais deseja.

Este sentimento de culpa pesa, age como uma âncora e te puxa para baixo, te faz pensar ser incapaz. É uma das principais armadilhas e gatilhos para que desista.

Desistir significa não permitir que tantas coisas boas e lindas passem a existir para você e para o mundo. Desistir é uma ação intencional sua que impacta negativamente a você e potencialmente muita gente! Não faça isso ok? É péssimo!

A culpa, como toda emoção, é carregada de energia. Direcione ou transmute essa energia para sua visão mobilizadora e o que está construindo. Transforme negativo em positivo, bronze ou lata em ouro.

A capacidade de retomar ou recomeçar é mais importante do que a de iniciar. E quando você a domina você realmente torna-se imbatível em relação ás suas barreiras e fantasmas internos.

Ao invés de se auto impor culpa, penas ou peso (âncoras) emocional, minha sugestão é: Divirta-se e não leve você mesmo tão a sério. Ao invés de alimentar e dar importância aos seus problemas, dê mais atenção ao que é luz e solução.

Simplesmente retome sem pensar muito. Recomece o jogo da fase onde parou, com leveza e boa intenção inspirado pela acima de tudo pela visão que o mobiliza e por saber que seu tempo é curto por aqui.

Vai lá e faz, sem alimentar sua mente com o veneno da culpa que gera insegurança e auto piedade. Se cair levanta com a boca cheia de sangue e dá risada com orgulho da nova cicatriz (tattoo é nutella!).

Retomar e recomeçar é simples e dá um mega tesão de fresh air. Afinal, se tudo acontece em um dia e são apenas 4 coisas para fazer, ontem já passou e hoje é um novo dia.

É seu dia, é o presente e é um presente. O amanhã é a sua tela em branco e você está doido para saber como é a próxima fase!

Aperte o start e dê o play!

RODRIGO BRITO é empreendedor, gerente de operações do Instituto Coca-Cola Brasil, co-fundador da Aliança Empreendedora, INK, Iniciativa Emerge e WTT Brasil (World-Transforming Technologies).