"Dito Pelo Não Dito" entrevista: Kel Costa

Escritora, cachorrólatra, chocólatra, ansiosa, hipocondríaca, que adora usar parênteses.

Neste momento, está em financiamento coletivo no Catarse o livro “Dito Pelo Não Dito”, organizado por mim e pelo Pedro Hutsch Balboni, com mais 10 autores e um ilustrador!

Desta vez, falamos com a Kel Costa! Autora da série Fortaleza Negra, Kel está no momento trabalhando no terceiro volume de sua trilogia. Apoiando “Dito Pelo Não Dito”, ela é mais um dos talentos que você ajuda! Conheça mais sobre o projeto AQUI e leia abaixo a conversa que tivemos com ela:

O que te levou para a escrita?
Eu sempre gostei de escrever apenas para a Kel leitora, nunca pensei em fazer isso profissionalmente. Acho que o pontapé inicial se deu durante a faculdade de Interpretação Cênica, onde cursei uma matéria em que precisei escrever algumas esquetes. Logo em seguida, veio minha paixão por Crepúsculo, a entrada no mundo das fanfics e uma coisa foi se ligando à outra. Quando vi, já não conseguia mais viver sem escrever e, principalmente, ter outras pessoas lendo as histórias criadas por mim.

Qual foi a primeira coisa que você escreveu e achou o resultado bacana?
Eu nunca fui o tipo de pessoa que tende a achar tudo o que faz uma droga. Sei que muitos escritores são seus maiores críticos, mas felizmente (ou infelizmente) isso não acontece muito comigo. Eu sempre gosto do que escrevo. Claro que vou achar um trabalho melhor que outro porque a evolução na escrita vai acontecendo de uma forma natural, mas no geral, costumo me apaixonar por tudo que escrevo. 
No entanto, sempre terei um carinho muito grande pelo meu primeiro livro publicado, o Fortaleza Negra. Porque foi com ele que eu tive que sair da minha zona de conforto. Até então, eu escrevia fanfics e fazia por hobby. Não eram histórias que transbordavam tanto conteúdo ou necessitavam de dias e dias de pesquisas. Fazer um livro era uma responsabilidade muito maior e eu não tinha certeza que daria certo. Aprendi muito com essa minha primeira experiência

Quais seus interesses, e como isso te influencia na hora de escrever?
Eu gosto de tudo do mundo nerd e cultura pop. Filmes e séries me inspiram muito, desde criança eu já inventava histórias depois de assistir algum filme que me marcasse muito. Sou completamente viciada em seriados, daquelas que deixam de sair para ficar em casa maratonando algum título. Então, estar sempre mergulhada nesse mundo faz com que minha mente trabalhe o tempo todo. A música também fala muito comigo e já aconteceu de escutar algo pela primeira vez e ter uma ideia completa, com início, meio e fim para determinado livro. 
Para responder de uma forma mais direta, eu amo estar em contato com os sentimentos dos leitores. Gosto, principalmente, de fazê-los rir. É comum em meus livros o leitor ser jogado numa montanha-russa de sensações, indo do choro à gargalhada em poucas páginas. Gosto de fazer esse jogo com eles e a sensação de dever cumprido, quando recebo um retorno de alguém, é indescritível.

Como está sendo sua experiência com este projeto?
Maravilhosa! Quando fui convidada e vi do que se tratava, soube no mesmo instante que não podia ficar de fora do projeto. Ainda não tinha visto nada parecido com a ideia do livro e fiquei animada em poder escrever uma única história com várias outras pessoas, foi uma experiência única. Além da questão da criatividade, o enredo é ótimo e faz o leitor querer desvendar logo todo o mistério que envolve Joana e Mauro. Foi um orgulho ter escrito um dos capítulos.

Tem algum plano futuro relacionado a literatura?
Tenho alguns livros já tomando forma, mas por enquanto não posso divulgar nada. No geral, o plano é sempre continuar escrevendo!

O que faltou dizer e não pode ficar dito pelo não dito?
Gostaria de agradecer ao Pedro e ao Rodrigo pelo convite para participar da criação de Dito Pelo Não Dito. Espero que muitos possam ter o livro em mãos e se encantar com a história que foi desenvolvida com tanto carinho. Quem ainda não apoiou o projeto, não perca a oportunidade de conhecer e desvendar os mistérios que cercam a Joana.

Gostou? Conheça “Dito Pelo Não Dito” AQUI.