FATEBOOK

Rogério Nuno Costa
Feb 4 · 4 min read

Uma alucinação coletiva de Rogério Nuno Costa

I.

Finn’issage

(Sai.)

Pano.


II.

Real Idade

(Cantando.)

Ai destino, ai destino. Ai destino que é o meu. Ai destino, ai destino. Destino que Deus me deu. O amor bateu à porta, e eu deixei-o entrar. Parecia tão diferente, confiei e fui em frente e com ele quis casar. Infortúnio do destino esse meu passo infeliz… Fui amante atraiçoado, fui marido mal-amado, sem saber que mal eu fiz. O amor tem destas coisas: no princípio tudo bem. Quando se vê a verdade, p’ra voltar atrás é tarde, p’ra recomeçar também.

(Dá meia volta e fica no mesmo lugar.)


III.

Acto de Contrição

(De joelhos, cabisbaixo, mão direita sobre o peito.)

Vivi acima das minhas possibilidades conceptuais. Fiz sempre tudo por fora, para fora. De fora. A dar o fora. Fui exotérico. Já pedi desculpa a Portugal por todo o mal que lhe fiz. E àquele crítico que prometeu destruir-me. E à dívida pública. E aos Grandes Outros. E a todos os gatekeepers que sempre me avisaram que se não tenho cartão, não entro. A todos os dress codes que não cumpri. À tese que não escrevi. Às rectaguardas que não lambi. Àquele novo notável que me humilhou em praça privada. E àquele outro que me confundiu comigo próprio. Peço desculpa todos os dias ao ne-putismo lisboeta. Aos que ignoraram e aos que se esqueceram. A todos os que com excelsa dedicação me chamaram de pretensioso, wannabe, fundamentalista-com-a-puta-da-mania-não-é-de-confiar. Pedi desculpa àquela outra porta que me chamou de burro. E àquela oportunidade perdida. E àquele cartaz vandalizado. Amanhã, se ainda tiver coragem, pedirei desculpa à bruxa, por ter fugido dela. E à colega. E à irmã. E à namorada conceptual. E à fag hag. E à companheira de batalha. E a todas as carapuças, sobretudo as encapuçadas. Vou pedir desculpa às causas perdidas. Se as encontrar. E vou-te pedir desculpa a ti, que me estás a ler, por mais uma vez te ludibriar com a cantiga de escárnio e maldizer camuflada de amor e amigo. Peço desculpa aos amigos. Todos. Tenho-vos a bater cá dentro, no ceguinho que é o meu coração, nos sonhos por dormir, nos buracos por nascer, nos dias por ocupar, sempre na mesma tecla, sempre na mesma tecla, sempre na mesma tecla: DELETE. Aos deuses todos das colinas que profanei, um por um, sem misericórdia. Contratos rasurados, comunhões de mal, manifestos passadistas, todos os foi-sem-quereres. Peço desculpa aos idiotas das congregações neo-feudalistas cujas cartas de admissão rasguei: a invasão de privacidade, os tortos de autor, a palavra EU graffitada nas vossas costas moles, sem espinha. Desculpem ter-vos desmascarado o óbvio. Juro que não foi por mal, juro que estava mesmo ali, espetado no nariz, à espera do dedo apontado ao olho, a boca fechada para não deixar entrar ar, as orelhas cravadas na testa. E a estatueta que te pus na mão para depois “Olha, que ridículo, tens uma estatueta na mão!”. Desculpa ter-te amado tanto… Não tens vergonha?

Desculpem(-me). Por ser do Norte™ e confundir “premiável” com “permeável”: pedra pomes jamais será esponja. Por não saber falar baixinho, não escrever direito por linhas horizontais. Desmontar-vos a mais insistente e desinspirada teoria da conspiração: less, perdoem-me, é mesmo só less. Já pedi desculpa ao dinheiro. E à falta de noção. E ao Beuys, porque somos todos artistas o caralho! E às twink’le twink’le little stars que vieram depois, por lhes ter deixado um mundo sem fundo para colorirem com os seus ténis da moda, depois do sol se pôr e a escuridão esconder os erros de racord e as assimetrias de casting e a ausência total de est(ética). Desculpem não vos ter feito saber que o espectáculozinho já havia terminado para poderem bater palmas. Desculpem ter-vos amado tanto, tanto, tanto, ao ponto de vos chamar ridículos. E não ter querido jogar quando as regras até corriam de feição, e a maré me empurrava, confiante, para a frente. Por não ter conseguido vencer-vos, não ter sido melhor, nem sequer necessariamente bom. Pela dislexia grave que é também um subtipo nórdico de daltonismo e uma evidente falha na minha formação cultural — não sei distinguir “descoberta” de “invenção”. Não sei, pronto, foram vocês que copiaram primeiro! Sois ridículos… Ter-vos aberto as portas todas quando já só queriam que acenasse, da janela, metade do corpo escondida para não dar nas vistas, um aquecedor nas costas e um Papa qualquer para me benzer o talento com um proto’colinho onde me sentar e redimir da vergonha alheia. É a mesma que sinto quando me olho todos os dias ao espelho: “Estou quadradamente enganado!” Fade Out. Entraste na universidade, perguntas-me. Não, entrei na particularidade, respondo-te. Andamos a medir pilas desde 1143, não é? Precisamos de lutar afincadamente por um assento no anfiteatro do Clube Disney, não é? Amo-vos tanto, tanto, tanto, mas não, não é o que o Aqui me deu; é o que o Aí me tirou.

(Faz uma diagonal ao Sucesso, middle finger em riste, rezando: “Perdoa-lhes, Senhor, que eles sabem o que fazem”.)


Rogério Nuno Costa, Helsínquia, Fevereiro 2017

Texto publicado no n.º 15 (Ódio) da Flanzine, com edição de João Pedro Azul

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade