A ORIGEM DO UNIVERSO

Por Rogério Melo

H á pouco, tive um insight, depois de uma conversa muito legal sobre as ciências com meu filho, Natan Melo; minha filha, Beatriz Melo, e duas de suas amigas do IFRN, Macau.

Eu e Natan conversávamos sobre Astronomia. Sobre o cometa descoberto pelo cientista Edmond Halley, que mais tarde seria batizado com o seu nome. Merecida homenagem!

Me surpreendi ao descobrir que uma das amigas da minha filha que estavam carro conosco é uma profunda apreciadora da área. E isso foi bastante empolgante para mim.

Não vou descrever aqui tudo o que conversamos, naquele momento — não porquê não seja capaz de fazê-lo, mas prefiro adiantar-me para não cansá-los.

Ocorre, que ao chegar em casa, fui tomado por este lampejo: eu não sou muita coisa para achar alguma coisa sobre algo, porém, desconfio que aquilo que os cientistas buscam lá fora do nosso sistema, se encontra bem dentro dele próprio, a imagem do início do nosso universo, a imagem do Big-Bang!

Em sendo o planeta Terra uma fagulha de matéria que se desprendeu do Sol (e não, simplesmente, partículas atraídas para sua órbita por causa de sua poderosa força gravitacional), o que vemos ao observar o sol, não é senão, o próprio Ovo Cósmico explodindo.

Os corpos celestes observados no espaço por meio de modernos telescópios são corpos, que tanto quanto a terra, se distanciam do mesmo ponto de origem impulsionado por uma poderosa força de repulsão.

E como se explicam os conglomerados de estrelas (as galáxias) e aquelas imensas nuvens multicoloridas e amorfas de gás e poeira (as nebulosas)? Ora, a natureza contraditória da luz (energia|matéria) explica a formação da matéria no espaço|tempo. A desaceleração das partículas de energia (viajando à velocidade constante de 300.000 Km/seg.) projetadas pela explosão se condensam, resfriam-se, gradativamente, e se atraem por gravidade formando os cristais (a velocidades das mais variadas, mas nunca a da luz). O fato é que estrelas tão distantes de nós, a milhões e milhões de anos/luz, são fagulhas de uma mesma explosão. Isso já foi dito. O que nos deixaram de dizer é que essa explosão teve origem de dentro do nosso Astro-Rei!

Assim, eu criei uma fábula para explicar aos meus filhos, e às duas amigas, a origem do Universo. Muitos povos antigos tiveram suas próprias formas de explicar a origem do mundo e as transmitiam de geração em geração. A Bíblia é somente uma delas… bem que eu podia ter sido mais lacônico, e ter-lhes dito o seguinte:

— A verdade é que vocês vieram mesmo foi do ovos dos seus pais e das entranhas das suas mães! — talvez eu tivesse sido mais convincente.