Procrastinador

Sou um procrastinador.

Comecei esse texto com uma afirmação, uma confissão, não é algo que eu me orgulho, não tem como se orgulhar disso, no entanto, as vezes isso é mais forte que eu, falo eu, mas tenho certeza que outros procrastinadores irão se identificar, voltando ao fato de ser mais forte, tenho total consciência de que deveria estar me mobilizando mais, fazendo todas as coisas do mundo, lutando cada vez, sei disso, mas não é simples dessa maneira, não na minha cabeça e não na minha vida, são dezenas de fatores, a auto-sabotagem, como um dos maiores, li recentemente em um texto, muito bom por sinal e irei disponibilizar o link no final deste texto, que pessoas procrastinadoras tem um problema com as coisas dando certo, tem um certo medo de ter e depois perder, acostumadas com tantos fracassos, concordo em partes, não concordo com a parte dos fracassos, as vezes temos outros bloqueios, emocionais, psicológicos e tantos outros que são pontualmente pessoais.

Tudo isso pra dizer que há tempos quero voltar a escrever, opinar sobre as tantas coisas que vejo acontecendo, meu ponto de vista que vale tanto quanto uma nota de R$3,00, ou seja, nadinha, mas é minha, e isso a torna única, da mesma maneira que a sua, do cicrano e do beltrano, não me deixarei levar pelo espiral do silêncio imposto pela sociedade, mas também não estou aqui para embates, pretendo me posicionar sobre temas polêmicos também, esses são os mais gostosos, mas o embate muitas vezes não leva a nada quando a pessoa do outro lado não estiver disposta a discutir pontos de vistas e apenas impor os seus.

Esse é o primeiro de tantos outros (espero), da mesma maneira, pretendo que hoje seja um marco, o final da procrastinação na minha vida, sei que esse fim ainda não será amanhã e talvez nem na semana que vem, não é assim tão simples também, mas a gente segue nessa luta, cada vez mais consciente e disposto.

Segue o link do texto que disse no começo:
 http://obviousmag.org/antonia_no_diva/2017/procrastinacao-sabotagem-e-sina-de-nao-se-achar-bom-o-bastante.html

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.