Não é sobre ser mais criativo.

Os mais criativos nunca priorizam hábitos voluntariamente. Seus produtos geralmente vem de uma pessoa significante, não apenas de uma mente disruptiva.

Pessoas significantes são seres conscientes. Que agem de forma ativa independente das consequências, dão valor para suas relacoes porque as reconhecem como algo que importa. Falam com o tio do churros sem esperar um insight com mumu.
Quando dizemos apenas que queremos ser mais criativos estamos pulando uma etapa que importa muito, e isso nos reduz e nos frustra.
Nos reduz porque fazer algo somente com o intuito de inovar pode distanciar quem nós realmente somos do que estamos fazendo, e isso acaba tornando o produto superficial, o que nos frustra.
Conhecer lugares novos, ler bastante, exercitar-se e conversar com as pessoas são hábitos que pessoas significativas costumam alimentar, o que abre precedente para uma pessoa mais capacitada para ideações, mas isso não é regra.
Portanto, não é apropriado viver uma vida apenas pautada no interesse de caçar as ideias, elas estão por todo lugar, é claro, mas só aparecem para nós quando olhamos para a vida com um olhar sincero, não com um "ok, onde estão vocês ideias?".
Ser uma pessoa significativa possibilita que as experiências se transformem em matéria prima para as ideias, aí sim podemos aplicar nossas ferramentas de criatividade.
É um processo que precisa ser feito pois nos torna mais humanos, sem julgamento moral, humanos apenas no sentido de conscientes das emoções e atitudes.
Estamos perdendo muito quando vamos atrás de algo novo apenas pelo interesse de uma ideia nova.

Antes da ideia nova sempre há uma entrega sincera á vida. Sempre.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.