Eu odeio, odeio seus cigarros. Odeio o jeito como você fuma, odeio sua fuga, odeio até quando você pede pra eu fumar com você, esta tentativa ridícula de me aproximar do seu ritual, disso que é tão seu, tão irritantemente seu, eu odeio, odeio seus cigarros, todos eles, odeio cada denúncia que eles fazem na sua boca, odeio como seus dedos seguram os cigarros, odeio o fogo e o fascínio dos seus olhos, odeio o cheiro nas suas coisas, odeio a sua saudade, odeio suas mãos tremendo longe deles, odeio seu ciúme dos desconhecidos fumando, odeio você sair a hora que for para encontrá-los, odeio seus cinco minutinhos, suas desculpas, odeio você arrumar tempo para eles, odeio eles estarem sempre por perto, na sua mente, no seu peito, em cada célula do seu dia, odeio a sua solidão com eles, a sua intimidade, eu odeio, odeio o seu silêncio e devoção, essas horas dedicadas a eles, odeio o espaço deles nas suas coisas, nos seus dias e até o jeito como eles fazem você conhecer pessoas, odeio até isso que eu podia gostar: odeio o seu pudor em não apresentar-se fumando à família, odeio até essa sua decência, odeio por causa dessa cara de prazer insuportável com que você fuma escondido, parece que faz de propósito, que raiva da sua cara, odeio você provar a vida neles, odeio você querer morrer por eles, odeio você chupá-los distraído, odeio a sua necessidade, a urgência e também a sua convicção de que os quer por desejo, odeio você negar o vício óbvio, negar o costume, nem reparar no costume, odeio você só perceber que está há tempos com eles quando lembra histórias antigas, odeio vocês terem tantas histórias antigas, odeio você não largá-los por nada, odeio eles serem sua paz, odeio como vocês são confidentes, odeio a amizade de vocês e você os exibindo em festas, bares e ruas, como se fossem algum triunfo só seu, como se lhe pertencessem somente, eu odeio, odeio a sua fidelidade, odeio todos, todos os seus cigarros, odeio a inveja que sinto quando penso que nunca serei tragada com tanta violência por você, eu odeio, odeio não ser os seus cigarros.

Maria Giulia Pinheiro

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Ronan Ammirati’s story.