Só no fim de semana.


No último fim-de-semana, meu marido viajou e eu fiquei só.

Para minha mãe era a oportunidade de uma mudança temporária para a casa dela. Para uma amiga era o momento de colocar o pé na estrada também e explorar outra cidade — ficar em casa, para quê? Para a maior parte dos amigos era a hora de sairmos para almoçar, beber e aproveitar a vida. Para mim era a chance de me curtir, sabe?!

Pois bem, não é muito o meu perfil ser radical nas ações — sou mais do tipo meio-termo que oito-ou-oitenta.

Resultado: passei um tempo maior com a minha mãe (embora não tenha me mudado temporariamente para lá), não explorei outra cidade (mas me permiti uma experiência diferente que veio na forma de uma degustação de ovos de páscoa — high on sugar) e aproveitei duas saídas com os amigos durante o fim de semana. Tudo maravilhoso.

Mas a maior parte do tempo eu fiquei só — e foi igualmente maravilhoso.

  • Nossa mas você vai dormir aí sozinha? (Vou!)
  • Vai ficar nessa deprê? (Que deprê?)
  • Vai fazer o quê? (Humm..)

Ficar com as roupas mais confortáveis do meu guarda-roupa (leia-se: aquelas com as quais você não vai nem levar o lixo lá fora), comprar todas as minhas comidas prediletas e não ter hora e nem ordem para comer, ver as séries com o meu ritmo ALUCINADO, ler boa parte do livro do mês, fazer palavras-cruzadas, dormir a hora em que as minhas vistas não aguentarem mais (e acordar somente quando o meu corpo reclamar), escutar a minha música predileta alta e repetidamente, cuidar das minhas plantinhas, arrumar meu guarda-roupa (e provavelmente em menos de 24 horas bagunçá-lo de novo) e começar a arrumar a minha bagunça de papel e fotos e livros e provavelmente ser interrompida pela força nostálgica de alguma lembrança até que eu invente outra coisa para fazer. Enfim, acho que isso.

Eu basicamente vou fazer tudo o que eu faço na companhia do meu grande amor. Mas pelo simples fato de estar só será libertador e terá outro significado — e também acredito que só seja assim porque eu sei quando a segunda-feira chegar eu terei com quem repartir tudo isso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.