Súplica

Não, acho melhor não. Não me acomode assim, não ache que eu estou gostando. Por que você pensaria que eu gostaria de dormir de conchinha? Por que você está sugerindo isso e me deixando, literalmente, em uma posição difícil de recusar? Não, por favor, não. Entenda meu martírio aqui, colada a seu corpo e sentindo sua respiração na minha nuca. Entenda que eu não esperava que isso fosse acontecer e agora estou aqui, estática, rogando silenciosamente que você não seja tão legal, tão fofo e que esta noite não seja assim tão perfeita. Como vou sobreviver a isso? Como não querer que todos os outros homens do universo me tratem assim também? Todos, absolutamente todos eles, deveriam ser educados e intensos na medida certa. Todos deveriam falar como você, me fazer rir como você. Como evitar as comparações de agora em diante? Como pensar que esse abraço leve não vai estar comigo em outras noites? Isso, se mexa. Movimente-se e me abandone aqui à minha sorte como todos os outros para que eu não eleve os padrões. Isso. Assim mesmo. Não me puxe para perto de você de novo. Não! Não! Por favor, não faça isso porque eu vou ser obrigada a aceitar seu carinho silencioso e me acomodar no seu corpo de novo! E você volta a dormir como se eu não estivesse atrapalhando seu sono aqui toda enroscada em você. Como ousa fazer isso? Sinceramente, eu não entendo. E talvez não consiga dormir nem um mísero minuto pensando em todas as venturas e desventuras que me fizeram chegar aqui neste momento. Aquela sensação de estar no lugar certo na hora certa. O momento em que a vida faz sentido. Pensando que algumas pessoas nunca vão experimentar uma noite como a nossa. Momento especial. Como sobreviver a momentos especiais? Como não imaginar que eu poderia ficar aqui para sempre e ser feliz assim? Como vou encarar um único dia cinza depois de ver o mundo pela cor dos seus olhos? Peço com todas as minhas forças que você não seja legal ao acordar. Que me trate muito mal. Que me desperte dessa perfeição que pode se transformar em pesadelo se eu não tiver mais disso. Eu não vou sobreviver a esta noite se eu continuar a sentir você dormir a cada respiração minha e sua. E pensando bem, talvez o melhor seja realmente não sobreviver. Parar o mundo aqui agora sendo assim, imensamente feliz.

Durma. Durma. Durma.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.