Variação Anatômica do Músculo Oblíquo Inferior da Cabeça

JEFERSON FOMES OLIVEIRA / RAFAEL AKIRA TZANNO MURAYAMA / FLÁVIO ABRÃO NETO / OSVALDIR LANZONI LA FALCE / ROGÉRIO PORTO DA ROCHA

RESUMO

Os músculos suboccipitais são pequenos músculos localizados na região cervical posterior que estendem a cabeça nas articulações atlanto-occipitais e a gira com o atlas sobre a áxis. As relações estreitas dos músculos, artéria vertebral e ramos do primeiro nervo cervical criam condições para a compressão das formações neurovasculares no trígono suboccipital. O objetivo deste estudo foi relatar o músculo oblíquo inferior da cabeça supranumerário e as implicações clínicas pertinentes a este músculo.

Descritores: variação anatômica; músculos do pescoço; articulação atlantoccipital, artéria vertebral.

INTRODUÇÃO

Os músculos suboccipitais são pequenos músculos localizados na região cervical posterior que estendem a cabeça nas articulações atlanto-occipitais e a gira com o atlas sobre a áxis. A inervação é proveniente do nervo suboccipital (ramo posterior do primeiro nervo espinal), o qual emerge por dentro do trígono suboccipital juntamente com a artéria vertebral em um sulco sobre a face superior do arco posterior do atlas.

Os músculos suboccipitais que formam o trígono suboccipital são descritos da seguinte forma:

1. Músculo reto posterior maior da cabeça — une o áxis ao occipital. Sua inserção inferomedial é no processo espinhoso do áxis e superolateral na metade lateral da linha mucal inferior do occipital. É um músculo triangular com vértice inferior, oblíquo superoinferiormente, e vem de medial para lateral.

2. Músculo oblíquo superior da cabeça — insere-se no processo espinhoso do áxis e sobe lateralmente até a linha nucal inferior do occipital.

3. Músculo oblíquo inferior da cabeça — músculo volumoso, retangular, que une o áxis ao atlas. Insere-se no processo espinhoso do áxis e com trajeto oblíquo e lateral vai até o processo transverso do atlas. Relaciona-se com a artéria vertebral na frente e com o nervo suboccipital atrás.

O músculo oblíquo superior da cabeça, o músculo reto posterior maior da cabeça e o músculo oblíquo inferior da cabeça formam o trígono suboccipital atravessado pelo ramo posterior do primeiro nervo cervical e, profundamente, de lateral para medial, pela artéria vertebral.

Cada músculo é inervado por um ou vários ramos posteriores das raízes espinais cervicais. Sua irrigação é realizada pela artéria occipital, ramo da artéria carótida externa. São músculos rotadores da cabeça.

RELATO DE CASO

Durante uma rotina de dissecação no Laboratório de Anatomia do Centro Universitário São Camilo foram observadas variações nos músculos suboccipitais de um cadáver masculino adulto.

Depois de rebater o retalho cutâneo lateralmente, remover a tela subcutânea e a fáscia cervical, os músculos trapézio, esplênio e semi-espinal, consecutivamente, foram expostos, e a região suboccipital foi evidenciada. No lado esquerdo e direito, os músculos reto posterior maior da cabeça encontravam-se duplicados. Os músculos reto posterior maior da cabeça direito e esquerdo possuíam tendão único em cada lado originado na face lateral do processo espinhoso do áxis e inserido separadamente na face inferoposterior do processo transverso do atlas. O nervo suboccipital e a artéria vertebral apresentavam trajeto coincidente ao descrito na literatura.

DISCUSSÃO

As correlações clínicas das variações anatômicas no trígono suboccipital podem ser importantes na avaliação de neuralgia occipital. Assim como da vertigem por insuficiência arterial vertebrobasilar devido à compressão da artéria vertebral e diminuição do fluxo sanguíneo neste território, que pode provocar o aparecimento de sintomas labirínticos como vertigens. Para Zaitseva (1983), as relações estreitas dos músculos, os vasos vertebrais e ramos do primeiro nervo cervical criam condições para a compressão das formações neurovasculares na região atlanto-occipital.

A neuralgia occipital é uma síndrome específica de paroxísmo de cefaleia acentuada da distribuição dos nervos occipital maior e menor. O ponto mais profundo (proximal ao longo trajeto do nervo occipital maior) de compressão potencial existe dento de uma fáscia em torno do músculo oblíquo inferior da cabeça perto do processo espinhoso.

Embora a literatura não se refira à neuralgia occipital e vertigem como resultante do músculo oblíquo inferior da cabeça supranumerário no trígono suboccipital, acreditamos ser necessária maior atenção no aumento de incidência para os casos de variação anatômica deste músculo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rogério Porto da Rocha’s story.