A chuva — ou quem faz ela — não gosta de mim

É o terceiro dia consecutivo que tenho que desmarcar um compromisso por causa da chuva. E não é qualquer chuva. É pancada que dói. Tem alguém lá em cima que gosta de ferir meus sentimentos.

Terça-feira eu tinha uma reunião. Ok, aconteceu. Em seguida precisávamos gravar um take pruma campanha digital e obrigatoriamente tinha que ser na parte externa do estabelecimento, uma cafeteria que exibe uma perfeita fachada. Durante a montagem dos equipamentos, começou a chover. Em seis minutos a água tomou conta até da calçada. Já era. Todos pra casa!

Quarta-feira, segunda tentativa. Mesma história. Antes mesmo de chegar no local de gravação, as águas de março, abril, maio e junho despencaram na cidade. Nem conseguimos chegar. Por ora, só semana que vem agora. Se não chover.

Achando que já estava livre de imprevistos, peguei minha filha hoje na escola e fui pro parque praticar alguns minutos de exercícios. O sol estava ardendo, eram 6 da tarde e tínhamos um bom clima para aproveitar o fim de tarde. Tínhamos. Quando parei o carro no estacionamento tudo veio por água abaixo. Em poucos minutos o céu azul ficou cinza e o para-brisa começou a ser agredido por pedras de granizo. Foi doloroso adiar o passei com a minha filha.

É doloroso saber que lá em cima tem alguém zombando da minha cara há três dias sem eu poder fazer nada… Posso sim. Não marcar nenhum compromisso pra esta sexta-feira.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.