Sexta-feira

É dia de acordar com mais disposição.

É dia de ir correr na rua antes de ir trabalhar.

É dia de cumprimentar todos os funcionários da empresa.

É dia de almoçar fora.

É dia de rodízio de carne no almoço.

É dia de petit gateau no café-da-tarde.

É dia de fazer três reuniões seguidas.

É dia de fechar matéria.

É dia de corrigir roteiro.

É dia de fechar caixa.

É dia de se animar.

É dia de ouvir funk e Chitãozinho e Xororó na mesma playlist.

É de convidar os amigos pra praticar crime.

É dia de enviar áudio bêbado no Whatsapp.

É dia de namorar na praça.

Na rua.

Na praia.

Na casa.

É dia de errar.

É dia de ligar pro ex.

É dia de ver a ex.

É dia de pagar no crédito.

É dia de vomitar.

É dia de comer pastel de madrugada.

É dia de andar pelado na rua.

É dia de dormir no banco da praça.

É dia de ser parado na blitz.

É dia de sonhar com a Ísis Valverde nua na sua cama.

É dia de ligar pro advogado.

É dia de chegar em casa e acordar os pais com pulos na cama.

É dia de estacionar o carro na rotatória.

É dia de marcar churrasco.

É dia de fazer churrasco.

É dia de gostar de funk.

É dia de conhecer a nova música do Safadão.

É dia de beber em posto de gasolina.

É dia de abraçar o garçom.

É dia de passar vaselina.

É dia dia de usar camisinha.

É dia de se arrepender.

Mas não é dia de passar vontade.

Aproveite a sexta-feira e se jogue no mundo. Enquanto eu ficarei aqui fazendo maratona de série na Netflix.