Olá

Me chamo Ruana Raiane Padilha Da Silva Souza, mas pode me chamar de Ru, pois é assim que todos me chamam desde que nasci. Sou a filha do meio de Adilson e Raquel; não fui tão planejada quanto a minha irmã nem tanto “acidente” quanto meu irmão, mas desde que estamos juntos vivemos bem.

Sou nordestina! Moro em Alagoas, no paraíso das águas, mais especifico no município de Rio Largo, a 30 km da capital. Nasci e cresci por aqui mesmo e sempre me dividi entre escola e cursos extracurriculares para me preparar melhor para o futuro. Falo fluentemente o idioma espanhol; amo a cultura latino-americana. Embora tenha sido uma banda adolescente que me influenciou a aprender a língua. La música es una llave para llegar al alma!

Continuando, busco aprender a falar inglês, mas confesso que está complicado, but I can! (?). Tenho a fotografia como um xodó, um amor que começou desde criança, mas nunca pensei em ser fotografa profissional, apesar de já ter realizado uns pequenos projetos fotográficos.

Acredito que possamos enxergar os problemas da vida de diferentes ângulos e por isso embarco em livros, filmes e séries com o mesmo pensamento. Apesar de ter crescido apaixonada por Harry Potter, o livro “A culpa é das estrelas” me marca por me mostrar que podemos viver pequenos infinitos diariamente sem reclamar de dias cheios e cansativos, pois existe problemas maiores, como, na história, um câncer.

A vida hoje em dia anda ainda mais corrida, curso o oitavo período de jornalismo, sim estou chegando ao final, e isso me assusta cada vez mais, e faço estágio em um portal de notícia. Aprendi muito desde que fiz essa escolha em minha vida, ser jornalista não é apenas o glamour que via na televisão, mas um trabalho árduo de visão, apuração e automotivação.

Espero de aqui para frente conseguir êxito em minha profissão; poder realizar grandes reportagens e quem sabe escrever pro New York Times, porque não? Mas ficarei muito feliz em fazer algo para Graciliano Ramos, adoro sua editoria. Também desejo sair de Alagoas, não que não goste do meu estado, mas o mundo é tão grande para continuarmos sempre no mesmo lugar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.