SUSTENTABILIDADE: O valor intangível que vale milhões!

Já conversei e atendi muitas empresas que tem atividades potencialmente poluidoras. Se colocar na ponta do lápis, esse número deve chegar à casa dos quatro dígitos, ou seja, milhares. Na maioria das oportunidades, falando diretamente a empresários, ouço com frequência que cumprir obrigações ambientais tem custo elevado e alcançar o patamar de empresa sustentável atrapalha sua busca por lucro.

Obviamente, é uma visão equivocada dizer que a sustentabilidade de uma empresa é um valor que não dá lucro. Além de equivocados estão perdendo dinheiro, muito dinheiro!

É cada vez maior o número de investidores que buscam empresas sustentáveis para realizarem negócios. Tudo isto está perfeitamente de acordo com a lógica do mercado, porque investir financeiramente em empresas que têm equipamentos modernos (com menor risco de acidentes e multas), funcionários motivados (com menos processos trabalhistas, menor custo de atração e manutenção de talentos) e programas de redução de consumo energético e matérias-primas (que reduzem custos operacionais) é mais barato.

Um exemplo claro é a Bovespa que criou em 2005 o ISE — Índice de Sustentabilidade Empresarial. Uma ferramenta para análise comparativa da performance das empresas listadas na BM&FBOVESPA sob o aspecto da sustentabilidade corporativa, baseada em eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa.

Nessa ótica econômica, ambiental e social, podemos claramente identificar os benefícios da sustentabilidade em uma empresa.

AMBIENTAL

Em primeiro lugar eu sempre cito o valor ambiental. Esse não deve ser limitado somente em controlar documentações, prazos, condicionantes, relatórios e disposição final de resíduos. Coloco em patamar de prioridade a importância das análises prévias no uso racional dos recursos.

Introduzir uma cultura de treinamento para uso racional de matéria prima e insumos, análises de gestão global reduzindo a geração de resíduos são uma ótima estratégia para manter a eficiência na gestão.

ECONÔMICO

Quando chegamos ao pilar econômico, tenho como pensamento prioritário a economia de recursos. Isso acontece, por exemplo, com a redução dos custos de produção, com práticas de reciclagem, reutilização da água, reaproveitamento de sobras de matéria-prima e medidas de economia de energia elétrica.

Investir nos valores sustentáveis dos fornecedores também melhora a potencialidade dos lucros. Como a legislação prevê a responsabilidade compartilhada sobre danos de produtos, empresas que investem ou incentivam a qualificação de seus fornecedores ou clientes também têm vantagens facilmente percebidas. Isto é óbvio: ao diminuir o risco de meu “sócio na legislação” de oferecer um produto com problemas potenciais, o meu risco também diminui. As montadoras de automóveis que fazem recalls frequentemente que o digam.

SOCIAL

Os valores sociais que a sustentabilidade oferece a empresas que adotam estas práticas são enormes. Atualmente, o cliente não se satisfaz apenas com serviços e produtos de boa qualidade e que atendam às suas necessidades. Ele está cada vez mais crítico com relação às suas escolhas, buscando, entre outros aspectos, orientação para uma compra adequada e utilização correta do produto, informação sobre os impactos causados ao longo de sua cadeia produtiva.

Sempre digo que os clientes nos dias atuais não compram apenas um produto, compram uma causa.

E isso é uma excelente estratégia de marketing para abordar os pilares da sustentabilidade visando a potencialização das vendas e expansão da imagem.

Sem contar também a reação fantástica de funcionários e colaboradores em empresas que buscam ser sustentáveis. Em função da consciência ambiental, muitas pessoas tem satisfação em trabalhar em empresas sustentáveis.

Finalizando, acredito que valores intangíveis derivados da busca pela sustentabilidade elevam a lucratividade de uma empresa no longo prazo. Não é uma ação isolada e depende muito do engajamento de toda a equipe empresarial. Algumas pessoas ainda não acreditam nisso, mas os investidores já descobriram: ações de empresas com reputação de sustentabilidade socioambiental têm alcançado valorização superior em até 12% em relação às ações de empresas sem este valor intangível.